segunda-feira, novembro 26, 2018

AGRESTES CERCANIAS





O vento rasgou-se pelos fraguedos,
uivando por entre as penedias,
açoitando as copas em diálogos; bravias.
Vergando os troncos ao peso dos segredos.
O dia foi-se escoando, pela brecha das horas,
e a ventania, rugindo, empurrando as demoras
que o tempo se apressa, e não para, nem espera.
As árvores falavam, na sua linguagem de folhas,
balouçando, assustadas, ao sabor do vento morno.
Dobram-se e contorcem-se alterando o seu contorno.
O vento das cercanias não permite outras escolhas,
açoita alegremente a paisagem, soprando sonhos,
afastando medos, e magos loucos e bisonhos.
Desnorteou-se o vento, como suspensa quimera,
de um outonal dia em despedida.

Lágrimas de lua

sexta-feira, novembro 16, 2018

ALMA SEM VOZ


Há um mágico silêncio em todas as palavras
que não sabes dizer, que preferes calar.
Há um excêntrico fulgor nas mãos a acenar;
falam elas pela alma sem voz, enquanto lavras
sentenças de vida, no mutismo da ilusão.
Olhas o mar, esperando o infinito de mansidão.

Lavas a alma com as lágrimas do coração,
e escreves sonhos para fazer sorrir.
Escondes o medo nas dobras de um porvir,
arrancas da vida o amor; seguindo em negação,
fechas portas e janelas, enclausuras o novo dia,
como se o sol a nascer fosse apenas utopia.

Há um mágico silêncio nas profundezas do grito
que, mudo, se cola à garganta, ressecando o olhar,
e cada palavra é um hino, que ofereces sem ofertar.
Escreves com alma de pássaro; escreves como um rito
de uma estranha adoração. Como se alma fluísse
sem saber para onde vai, como se construísse
uma desenhada quimera… nas areias do impossível.

Lágrimas de lua























quinta-feira, novembro 08, 2018

A LONJURA DO MAR






Há auroras que são imensas
plenas e densas.
Há sorrisos que são poemas
sem gráficos nem teoremas.
Há sonhos que morrem no cais
do adeus, de simples mortais.
Há beijos que pairam sem destino,
estrelas suspensas, em desatino.
Há palavras que secam sozinhas
em corações doendo por almas mesquinhas.
Há luares que são asas de gaivota,
rumorejando numa praia ignota.
Há letras na poesia de um olhar
perdido na lonjura do grande mar.
Há palavras que tombam caladas
como  sombras de memórias aladas


Lágrimas de lua

SILÊNCIO ENSURDECEDOR

Por entre as palavras mordidas e os silêncios demorados, decorrem os dias. Escorrem as horas e passam os anos. Moldam-se a...