sexta-feira, novembro 16, 2018

ALMA SEM VOZ


Há um mágico silêncio em todas as palavras
que não sabes dizer, que preferes calar.
Há um excêntrico fulgor nas mãos a acenar;
falam elas pela alma sem voz, enquanto lavras
sentenças de vida, no mutismo da ilusão.
Olhas o mar, esperando o infinito de mansidão.

Lavas a alma com as lágrimas do coração,
e escreves sonhos para fazer sorrir.
Escondes o medo nas dobras de um porvir,
arrancas da vida o amor; seguindo em negação,
fechas portas e janelas, enclausuras o novo dia,
como se o sol a nascer fosse apenas utopia.

Há um mágico silêncio nas profundezas do grito
que, mudo, se cola à garganta, ressecando o olhar,
e cada palavra é um hino, que ofereces sem ofertar.
Escreves com alma de pássaro; escreves como um rito
de uma estranha adoração. Como se alma fluísse
sem saber para onde vai, como se construísse
uma desenhada quimera… nas areias do impossível.

Lágrimas de lua























4 comentários:

Jaime Portela disse...

Há almas assim...
Mas poemas tão bons como este não há muitos.
Excelente, gostei imenso.
Querida amiga, continuação de boa semana.
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

Ha' palavras antigas, muitas das vezes, esquecidas. Mas elas esta~o la', onde menos se espera.
Para as encontrar e' necessário saber o que procurar...

Isto e' só um devaneio, minha Amiga, perdoe-me.
Que sei eu...? So'sei que, com os sentimentos doutro na~o se brinca.

Mas que gostei, gostei! E muito.

Um beijo, minha Amiga.

Flor de Jasmim disse...

Lindissimo a forma como expressas os teus sentimentos, por vezes tão doridos!

Bom fim de semana Querida.

Beijinho no teu coração

Ulisses de Carvalho disse...

Tão profundo isso que quase é possível ficar sem ar com essas palavras. Gostei muito. Um abraço.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...