quinta-feira, março 28, 2019

CONTRACÇÃO TEMPORAL



Sob um céu de desencontros, a vida esvai-se,

a vida passa, corre e escorre, como revolto ribeiro.
As nuvens murmuram sonhos, o tempo contrai-se,
cristalizado em cinzentos e esfumado nevoeiro.
Como almofada de memórias, perdidas no vento,
deslizando como espuma em céu sem cor,
passam as horas, os dias, e a vida que enfrento
de mãos nuas, onde já se afogou a dor.
Sob um céu de aveludados sonhos,
que um dia foram caminho e vida,
deslizam tempos de sorrisos tristonhos,
perpassam cores de uma paleta esquecida,
Que o tempo não poupou.
Que o pintor abandonou.
Que a vida apagou,
e o poeta, em silêncios, amordaçou.


Lágrimas de lua



terça-feira, março 26, 2019

AINDA AQUI ESTOU ... ESTAREI?






Ainda estou aqui; na voragem dos tempos,
no rodopio das horas, dos dias, dos ocasos.
De todas as marés e algas de salgada cor.
Ainda estou aqui; a servir de passatempo
às nuvens, às letras, ao improvável e aos acasos
que a vida, ou o destino, me quiserem propor.
Ainda aqui estou; no fluir de todos os rios e chuvas,
de todos os temporais e estios, de azuladas preces.
Ainda aqui estou; nos lábios de morangos e uvas,
de mosto e vinho novo. Das sombras onde feneces,
onde os vulcões depositam cinzas, e laivos lilases
de esquecimento. Ainda aqui estou, estive… estarei?
Talvez uma gaivota me leve, talvez uma onda me prenda
a um encalhado navio, brincando com os roazes.
Ainda aqui estou; em brandas palavras, que jamais direi,
em sonhos mil, acorrentados, a este cais que a dor desvenda.



Lágrimas de lua





quarta-feira, março 13, 2019

DISTÂNCIA INTRANSPONÍVEL






Invento um vendaval de vento aberto
para chegar ao teu lugar.
Invento um mar azul e descoberto
para te tentar alcançar.
Invento olhos de andorinha
para que te possa vislumbrar,
nesse jardim onde se adivinha,
um tempo que passa devagar.
Invento uma ponte de sonhos,
que eu possa atravessar,
mas apenas os vazios medonhos
invadem o teu lugar.
Inunda-me um vendaval de vento deserto
que não chega para te abraçar.

Lágrimas de luar
(92º)

sexta-feira, março 08, 2019

MULHER


Por dentro da minha pele, sopram ventos
de gritos calados, no amadurecer dos dias.
Nos trilhos que rasgo por entre verdes sonolentos,
por entre fragas de sombras longas e frias.
Por dentro da minha pele palpito eu,
mescla de bem e mal, anjo e demónio, sim e não.
Por dentro da minha pele, que alguém esqueceu,
existem palavras por dizer, feitas de amor e pão,
feitas de dádiva mordida, 
de uma dor sofrida,
feitas de sal e sol, feitas de saudade e perdão.






Por dentro da minha pele existe uma alma,
existe um pedaço de sopro eterno,
existe passado, presente, um futuro onde se espalma
o passar do tempo, como o rigor do inverno.
Por dentro da minha pele vibram sonhos,
enterrados, como espinhos, em terra viva,
esgrimindo farrapos velhos e tristonhos,
esperando o tempo do porvir como  lágrima cativa.
Palpita ainda a chama imortal
de um amor intemporal,
que a vida arrastou na maré dura e intempestiva.

Lágrimas de lua

SILÊNCIO ENSURDECEDOR

Por entre as palavras mordidas e os silêncios demorados, decorrem os dias. Escorrem as horas e passam os anos. Moldam-se a...