quarta-feira, julho 24, 2019

NO IR E VIR DOS INSTANTES....





Somos, na vida, um ir e vir constante.
Nem sempre luz nem sempre sombra,
nem sempre amado, nem sempre amante.
Guardamos o caminho que ensombra
e o que desvenda o mais longe, mais além.
Somos gigantes e anões, o carrasco e o refém.
Somos a noite e o dia, num sim e não infernal,
somos o génio e o monstro, mudando a cada instante,
somos a paz e a guerra, somos gente e animal.
E somos o querer e o não querer gritante,
somos o que dizemos e calamos,
o que expomos e guardamos…
Somos tão só viajantes, presos na dualidade
dos passos que dando, não damos,
em busca de eternidade.

Lágrimas de lua

segunda-feira, julho 08, 2019

RENASCER


Nasceu o dia com negrume no céu azedo,
como se os anjos, revoltados, virassem costas,
arreganhassem as nuvens carregadas.
Nasceu o dia, com grilhetas de um degredo
que o coração quebrará, entregando as respostas
que a alma pede, em mansas suplicas caladas.
Olhando o dia que cresce, olhando a vida que se faz,
deixando que flua o AMOR, essência de fogo invisível,
aprenderei a dar passos de infinito.
E o dia regressa à beleza que cada aurora sempre traz.
E a paz inunda a caminhada como um toque sensível,
como beijo de flor, de ave, como a certeza que habito.
Inunda-me uma manhã de cinzas e luz, de serena aceitação,
de alma renascida, de casa recém-lavada.   
Inunda-me uma manhã de paz sem tempo,
correndo suave como bruma numa qualquer viração,
fiz das feridas roupa nova, fiz da dor força renovada,
percorri a minha vereda sem horas nem contratempo.
Esta luz baça que escorre, ténue, pela vidraça
traz-me as estrelas que brilham no céu,
e as que habitam o mar; o meu céu, o meu mar,
onde ecoa uma melodia doce que perpassa
pelos côncavos do meu coração, qual balsamo ou véu,
qual afago de maternal mão, beijo de paternal amar.
hoje o dia acolheu-me na concha de um nautilus perdido,
vogando, tonto, pela corrente desta vida deslizante,
e o horizonte tornou-se palpável, tangível.
O que foi; passou, o que vem; virá renascido,
de novas cores enfeitado. Só o presente; vibrante,
é certeza de vida, é caminho perceptível.
Hoje, das nuvens carregadas, nasceu um sol inextinguível.

Lágrimas de lua







SEM AMARRAS ... SEM CHÃO...

Quando as amarras que nos predem ao chão, nada mais são que laças cordas sem vida, nós esgotados, rasgadas velas, farrapos em ferida. ...