sábado, maio 05, 2007

IMENSIDÃO DO VAZIO

Na imensidão da noite sem fim

onde os ecos do passado soam alto,

onde a escuridão envolve as sobras de mim
lançando-me no vazio ao assalto

da minha alma fria e oca.

Coisa pequena e tão louca!

Nesta noite tenebrosa e vazia,

onde o murmurio do vento

e o leve perfume a maresia,

nada mais são que um lamento

da minha alma louca e vazia,

coisa tão pequena e fria!

Perdida em mais uma noite

de tenebrosa agonia.


8 comentários:

HNunes disse...

A noite traz a magia e ao mesmo tempo revela-nos a agonia.
Resta-nos somente abraça-la, fechar os olhos e deixa-la passar.
Bjos

JM disse...

Uma noite tenebrosa não é obrigatóriamente uma coisa má...
Um belo poema, embora se sinta tristeza nas palavras.
Bj

sonhadora disse...

Achas que me devo calar ou continue a sonhar?
Beijinhos embrulhados em abraços.

o alquimista disse...

Os Deuses não vivem na lagoa, apenas recolhem o pranto, transformado manto de água em certas noites de encanto.


Bom domingo...feliz dia da mãe...


Doce beijo

Chellot disse...

Esta tenebrosa agonia fez surgir tão bela poesia que até as lagrimas silencia.

Beijos de flores.

Escondida em mim disse...

Por vezes, é no vazio da noite que nos preenchemos.

Um beijo....escondido!

Ana Luar disse...

Nem a noite vazia e escura conseguem esconder as mais belas palavras deste poema.
Simplesmente belo, tudo o que escreves!

Cöllybry disse...

Ha a Alma que nunca está vazia...Belissimo poema, voltarei, meu rasto deixo___________ até lá

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...