domingo, outubro 13, 2013

CASTELOS DE SOLIDÃO



Somos um feixe de pontas soltas...Umas tocam-se, outras não.
Somos um punhado de risos e lágrimas que atravessam a vida,
umas vezes pelo deserto, outras pelo mar sem fim outras pela multidão.
Somos o que somos, dando, recebendo, tirando...Somos um junco de partida.

Hoje somos o calor do verão, amanhã a neve da invernia,
hoje sabemos o caminho que queremos, amanhã tropeçamos sem rumo.
Hoje temos a vida pulsante no coração em festa, em louca euforia,
amanhã somos o nada, somos o pó sem futuro, somos débeis sem aprumo.

Hoje rimos como crianças, despreocupados, insanos,
amanhã caem as lágrimas de tantos duros desenganos.
Hoje damos as mãos num amor intemporal e único,
amanhã cortamos amarras do cais podre e antagónico.

Somos cabeça e coração, lógica e sentimento, amor e ódio,
ressentimento e perdão.
Somos o "nós" e o "eu", somos tantas vezes o "tu, o ele, o ela",
no fundo somos apenas um castelo de solidão.


4 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Somos simplesmente isso tudo, mas com esperânça de sermos muito mais, de seguir em frente, não temendo o quanto possa ser impossivel.
Belssimo, adorei ler-te.
Boa semana minha querida.

beijinho e uma flor

Nilson Barcelli disse...

Somos o tudo... mas também o nada.
Magnífico texto, gostei imenso.
Querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Sonhadora (Rosa Maria) disse...

Minha querida

Num dia somos claridade e no outro escuridão...num dia mar sereno e no outro tempestade.
Como sempre, e tu sabes que as tuas palavras ma tocam profundamente, porque me revejo nelas.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

Tem um bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...