domingo, outubro 28, 2018

SOMBRA DE AVES








Na sonoridade de um raio de luar,
onde habitam os sonhos e telas inacabadas
que um pintor abandonou,
desenha-se uma melodia a flutuar.
Como sombras de aves, em lagoas caladas
que o tempo marcou.


Na imensidão da noite, desdobrando o vazio,
onde as velas ardem e os anjos velam
em mansa litania,
eleva-se o odor, suave, do alecrim bravio
em alcova de amores, que cinzelam
as horas, passando em sintonia.

No silêncio de uma ausência que mata
e das palavras gritadas, por dizer,
derrapa a vida,
voando veloz; perigosa acrobata,
num trapézio sem rede e olhos sem ver,
escreve-se o adeus… de partida

Lágrimas de lua

4 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Belissima imagem e o poema tão sentido, escrever com o coração, sentimentos tão profundos!

Beijinho minha querida amiga.

saudade disse...

Magnifico o seu poema...

Beijo de...
Saudade

Jaime Portela disse...

"... derrapa a vida, voando veloz; perigosa acrobata, num trapézio sem rede ..."
Todo o poema é uma obra de arte poética, mas a parte final é de mestre.
Excelente, parabéns pelo talento que pões nas tuas palavras.
Querida amiga, um bom fim de semana.
Beijo.

Jaime Portela disse...

Uma semana depois, vim espreitar para ver as novidades...
Querida amiga, aproveito para te desejar a continuação de uma boa semana.
Beijo.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...