segunda-feira, junho 03, 2019

SOBREVIVÊNCIA







Guardo a capacidade de sobreviver ao que fere,
ao que mata e destrói.
Guardo a força de olhar mais longe, para o que difere
do caminho que não constrói.
Guardo a capacidade da aceitação, sem revolta,
sem resistência ou controvérsia.
Guardo-me na caminhada sem guarda nem escolta,
e sigo, no movimento e na inércia.
Guardo cada partida e cada chegada,
cada perda e cada abandono.
Guardo cada inevitabilidade na alvorada
de um novo dia sem retorno.
Guardo a capacidade de sobreviver ao imponderável,
porque a vida é apenas um sopro de infinito.


                                                                                                                                                                                                                                         Lágrimas de lua


4 comentários:

saudade disse...

Isso te tornará mais forte....
Boa semana
Beijo

Flor de Jasmim disse...

Por vezes vamos buscar forças e não imaginamos que o seriamos capaz!
Assim os teus poemas revelam o quanto forte como sofredora és.

Beijinho minha querida

Jaime Portela disse...

E quem sabe guardar tem tudo...
Gostei do poema, é excelente.
Querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

ha' uma pessoa do meu sangue que frequentemente me diz: "nao guardes toda a tralha, livra-te dela. so' assim poderas receber novas alegrias".
minha amiga, vejo que guarda uma grande resiliencia. Isso e' muito bom.
dar, como da', valor 'aquilo que nos faz bem, e' seguir em frente.
porque a "vida é apenas um sopro...".

gostei muito.

um bom fim-de-semana
um beijo carinhoso, Paula

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...