quarta-feira, julho 24, 2019

NO IR E VIR DOS INSTANTES....





Somos, na vida, um ir e vir constante.
Nem sempre luz nem sempre sombra,
nem sempre amado, nem sempre amante.
Guardamos o caminho que ensombra
e o que desvenda o mais longe, mais além.
Somos gigantes e anões, o carrasco e o refém.
Somos a noite e o dia, num sim e não infernal,
somos o génio e o monstro, mudando a cada instante,
somos a paz e a guerra, somos gente e animal.
E somos o querer e o não querer gritante,
somos o que dizemos e calamos,
o que expomos e guardamos…
Somos tão só viajantes, presos na dualidade
dos passos que dando, não damos,
em busca de eternidade.

Lágrimas de lua

3 comentários:

Jaime Portela disse...

Somos tudo e somos nada...
Somos caminhantes num beco sem saída.
Magnífico poema, gostei imenso.
Querida amiga, um bom fim de semana.
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

A Beleza e o seu Contrário.
Somos feitos destas pequenas eternidades momentâneas, que o corpo sente e a memória regista. Somos assim… em viagem e evolução, se não, na destruição.
Gostei muito deste belíssimo Poema, minha Amiga.
Um beijo e um bom mês de Agosto.

Jaime Portela disse...

Gostei de reler este excelente poema.
Um bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...