sábado, dezembro 22, 2018

NATAL...TALVEZ



VOTOS DE FESTAS FELIZES









A bruma acumula-se nos beirais, gélidos de invernia,
traz a cor das neves solitárias, o hálito de manhã fria.
A distância impõe o silêncio de mãos vazias de tudo,
de olhos em busca do tempo que, veloz, recua mudo.
Como em caleidoscópio infantil a vida passa de fugida,
passam os risos, os sonhos, a luz, a cor, a harmonia perdida,
passam festas e alegrias, passam beijos com calor por dentro,
e passam os anos arrastando almas. Agonizando no centro
está um coração vazio, fechado em cofre sem chave ou sentido,
está uma vida, no limbo de um caminho percorrido.
A bruma cheira a Natal, cheira a madeira e aconchego,
a bruma amortalha-me a alma numa dor que calo e carrego.


Lágrimas de lua

3 comentários:

LuísM Castanheira disse...

Que fiquem felizes as crianças, pois e' delas
sonhar que este dia e' diferente. E' especial.
Do resto, fica o consumo a latejar nos bolsos
vazios e nos albergues a abarrotar.

De qualquer forma, minha Amiga, esse cheiro de madeira
a arder, na fogueira do adro da aldeia, ainda hoje me
lembra os melhores natais.

Passe um dia de natal o melhor possível e aguarde
um melhor ano novo.

Um beijo carinhoso e amigo.

Jaime Portela disse...

Tudo passa de fugida.
Principalmente as coisas boas da vida...
Magnífico poema, gostei imenso.
Querida amiga, bom resto de semana e um Feliz Ano Novo.
Beijo.

Flor de Jasmim disse...

Uma das piores dores!

um poema tão doloroso mas magnifico.

Beijinho minha querida.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...