terça-feira, fevereiro 12, 2019

INFINITUDE DO SER




Sim; ainda espero as horas das promessas do amanhecer,
e das lembranças de cada doce e falacioso entardecer.
Sim, ainda olho a linha do horizonte e sonho,
reconhecendo os traços do coração batendo tristonho.


Sim; é no ruborescer da nova aurora que me sento,
em esperas, sem já esperar de verdade, mas tento,
ainda, continuar a acreditar, a somente superar.
Sim; é no encanto de cada hora que busco o respirar.


Sim; ainda escuto a canção do mar, na eternidade do vazio,
e ainda me debruço no abismo do nada, para onde vai o rio
que me transporta sem norte. Nem sul, nem rumo ou sorte.
Sim; ainda me levanto e percorro a estrada, na inocência da morte.
E na sofreguidão da vida, e na crueza da encruzilhada,
e na avidez do sonho e na infinitude de cada alvorada.

Sim... ainda olho o infinito de cada Ser.

Lágrimas de lua







1 comentário:

Jaime Portela disse...

Um poema profundo e muito bem escrito.
Parabéns pelo talento.
Amiga, continuação de boa semana.
Beijo.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...