quinta-feira, março 28, 2019

CONTRACÇÃO TEMPORAL



Sob um céu de desencontros, a vida esvai-se,

a vida passa, corre e escorre, como revolto ribeiro.
As nuvens murmuram sonhos, o tempo contrai-se,
cristalizado em cinzentos e esfumado nevoeiro.
Como almofada de memórias, perdidas no vento,
deslizando como espuma em céu sem cor,
passam as horas, os dias, e a vida que enfrento
de mãos nuas, onde já se afogou a dor.
Sob um céu de aveludados sonhos,
que um dia foram caminho e vida,
deslizam tempos de sorrisos tristonhos,
perpassam cores de uma paleta esquecida,
Que o tempo não poupou.
Que o pintor abandonou.
Que a vida apagou,
e o poeta, em silêncios, amordaçou.


Lágrimas de lua



3 comentários:

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

"A vida é como um ribeiro"
Anda apenas para a frente
E leva em sua corrente
Sem dó nosso tempo inteiro

De um plano, como certeiro
Para uma vida sorridente.
Porém, mais que de repente
Tudo é nada e é o derradeiro

Plano que se faz na vida
Depois se arfante lida
Querendo vencer o mundo.

Amiga, a apetecida
Vitória está esquecida
E vencemos em um segundo!

Grande abraço! Laerte.

Jaime Portela disse...

A vida passa mesmo...
Gostei do poema, é magnífico.
Um bom fim de semana.
Beijo.

Jaime Portela disse...

Passei para ver as novidades.
Mas gostei de reler o teu brilhante poema.
Querida amiga, um bom fim de semana.
Beijo.

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...