sexta-feira, maio 27, 2011

MEIA VIDA



Aprendo a viver meia vida, como a vida permite,
com o coração dividido entre o querer e não querer,
nada é como se sonha, tão pouco como se admite.
A luta é um caminho sem luz por percorrer,
aprendo a viver meia vida, assim me deram sem escolha,
e oscilo qual baloiço de menina, entre o sim e o não.



Sou como a borboleta que, presa, através do casulo olha,
olha sem ver, sem esperar e a um tempo esperando em vão.
Aprendo a viver meia vida, nesta vida sem parar,
onde me esforço por não ver, não sentir e não pensar.
Aprendo a viver meia vida seguindo as pegadas do vento,
como folha sem rumo, como bruma ténue na alvorada
onde me perco, me embrulho e me sento,
onde vivo e me encontro sempre nesta encruzilhada
de viver apenas meia vida, caminhando dividida
entre o sonhar e o acreditar, e a esperança perdida.

3 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Minha Amiga
Forte demais tuas palavras!!! Dificil será encontrar saida, desistir será aceitar a derrota.
Beijinho bom fim de semana

rita disse...

E será que há viver uma vida inteira? Tudo depende das tuas exigência...e tu aceitas o que tens e contentas-te com isso, embora me pareça que vivas por inteiro não em tudo, mas na maior parte das coisas. Quem é que tem tudo por inteiro?!

Flor de Jasmim disse...

Olá Amiga
passei para te desejar um bom fim de semana.
Beijinho

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...