sábado, janeiro 19, 2019

A UM AMOR INFINITO




O tempo arrastou o seu manto sobre a vida passando,
levou os risos e as lágrimas, levou tudo castrando
o amor, em gotas de magoada e tenaz dor.
O tempo devorou a vida como fera faminta,
deixando esfumada sombra indistinta,
nos trilhos de um caminho sem retorno nem cor.
O tempo consumiu a vida, a história, a memória,
esmagou a frágil imagem de uma guerreira sóbria.
O tempo só não conseguiu matar nem destruir o AMOR.

(1º ano)

Lágrimas de luar

2 comentários:

saudade disse...

Esse Amor nunca acaba....
é aprender a viver com a ausência..
Resto de uma boa semana.
um beijo de...
Saudade

Quase Cinderela disse...

Fabuloso!
Adorei.
Tem poemas maravilhosos no blogue.
Parabéns!
Vou seguir.
Beijinho

AS BRUMAS DOS TEMPOS

Guardo nos olhos as brumas dos tempos; de sonhos vividos e de desejos sonhados. Trilho os meus devaneios, sempre calados, ...