sábado, novembro 17, 2007

CAMINHO MAGOADO

Como o sopro do vento norte,
como a breve alvorada
como o beijo da morte
perdido pela madrugada,
Como a lua tímida que espreita
como as nuvens que afogam o pranto,
como a maré que na areia se deita
e se deixa envolver pelo belo manto
do diáfano sol que renasce.
Como a criança que nasce,
como a vida que se escoa,
como o amor que se perde
como a ausencia que magoa,
como a barreira que se ergue
e a voz que não se ouve.

Caminho trilhado, mil vezes pisado,
caminho torturado.

2 comentários:

Phantom of the Opera disse...

Tens o dom de encantar com palavras sentidas e amarguradas.
Senti lágrimas em cada palavra tua.

Beijo bem suave

O Profeta disse...

Um poema esmagador no pisar os caminhos da lembrança...


Bom domingo


Mágico beijo

SEM AMARRAS ... SEM CHÃO...

Quando as amarras que nos predem ao chão, nada mais são que laças cordas sem vida, nós esgotados, rasgadas velas, farrapos em ferida. ...