segunda-feira, abril 21, 2008

FRAGMENTOS

Fragmentos de cristal partido


quais pedaços de vida sem rumo,


estilhaços de uma dor sem sentido


de um grito calado, sofrido e mudo.


Fragmentos de poeira na noite escura,


danças de luz e vazio na encruzilhada


da vida amarga e tão dura.


Embarquei nesta barca desgovernada

que me arrasta sem destino,

sem norte nem sul, sem sol e sem lua,

e no meu louco desatino

apenas sigo, desencantada e nua,

o coração que geme, se abate e adormece

enrodilhado e só nos fragmentos de cristal.

segunda-feira, abril 14, 2008

ESTRADA VAZIA

A estrada é longa e está deserta,


abandonada de passos e de sons.


Ainda há pouco estava repleta


de amor, risos, ternura, cores, tons....


Está vazia agora, tão dolorosamente vazia!


Para trás ficaram sonhos, memórias,


ficaram desejos e histórias.


Está tão silenciosamente vazia!


Para a frente só uma árida extensão,


solitária e deserta, um mundo de desilusão.


A estrada é longa e está deserta,


tão profundamente encoberta!