domingo, dezembro 28, 2008

AUSENCIA

Nos braços da ausencia me deitei,

acordei no silencio frio da solidão

e de lagrimas e soluços enfeitei

os lençóis onde mora a desilusão.

Nos braços da ausencia me deitei

e neles encontrei porto de abrigo,

é neles onde por ti sempre esperei

é neles onde morro sem estar contigo.

Os braços da ausencia me rodeiam,

e calam fundo a dor desta saudade

são tenazes duras que golpeiam

as esperanças vãs de felicidade.

UM PIANO

Nas asas da música, numa noite de escuro sereno, as mãos bailam sobre as teclas brancas e negras, os sons desenham momentos sonhados, ...