segunda-feira, junho 27, 2016

SEM CHAMA



Não alimentes uma fogueira que já não tem lenha por onde arder,
Não alimentes a ave que morreu na manhã gelada da solidão.
Não alimentes. Não alimentes os sonhos que só te fizeram perder
o pé, o rumo, o tempo, a estrada da vida na curva da desilusão.
Não alimentes. Não alimentes a ilusão que tu própria criaste
com a força de um sentimento avassalador e transcendente.
Apaga as pegadas que ficaram na areia que já trilhaste
e segue, segue de “pé como as árvores”, ou como sol incandescente.
Mas não alimentes a fogueira nem a chama, não alimentes a mentira
que pautou o teu caminhar, cuidando que era verdade e que te era destinada.
Não, não alimentes esse sonho, essa miragem que a saudade revestira
de vã esperança, de louca obstinação. Não, não alimentes a chama condenada,

o tempo já esfumou a sua luz, resta deixar que arrefeça e se desfaça em esquecimento.


imagem retirada da net

terça-feira, junho 07, 2016

SEGUIR EM FRENTE... SEM OLHAR PARA TRÁS



Ser capaz de olhar em frente sem olhar para trás e esquecer,
arrumar no fundo de um baú o vida passada e já vivida,
o que fiz e não fiz é passado. Está vivido não volta a acontecer.
Ser capaz de seguir em frente deixando a memória contida
num espaço limitado e escuro onde só o pó se acumule.
Onde só a força de vontade impere e regule
todos os sentimentos, todas as memórias e sonhos.
Ser capaz de arrancar os sentimentos do lugar onde enraizaram,
onde criaram espaço e se aninharam confiantes e risonhos.
É preciso extirpar a dor e a mágoa de onde se deitaram,
de onde não saem e se agitam como medusas hediondas.
Como máscaras de sátiros ou de entidades nefandas.
Ser capaz de olhar em frente sem olhar para o passado,
esse já foi vivido! Foi o que foi, não importa se nada ficou,
importa que foi vivido, bem ou mal está acabado.


Seguir em frente enterrando tudo aquilo que já passou.



domingo, junho 05, 2016

PEGADAS NA PRAIA DESERTA


Mais uma onda num oceano sem fim,
mais uma onda de tristeza simples e crua.
Mais uma onda que se despenha em mim,
encapelada de espuma, bela, mas fria e nua.

Apenas mais uma onda numa praia deserta
onde a mágoa grita alto sem que a escutem os mortais.
Só mais uma onda sobre a rocha descoberta,
com o sol pintando a prata os seus traços intemporais.





E como um grito de tortura e de beleza sem igual
eleva-se a espuma bem alto! Nobre e viva, viva e nobre.
É bela na sua singeleza de uma alvura sem rival.
Apenas uma alva onda neste areal despido e pobre.

Com ela grita a minha'alma e o coração magoado,
mas é tamanha a beleza desta espuma alva e pura
que a dor se desvanece neste recanto sossegado.
Mais um toque de magia nesta vida já tão dura.




Pegadas na areia que a maré levará mansamente
como se jamais houvessem existido. Marcas de vida,
marcas de passos, de desejos sonhados inutilmente.
Pegadas infinitas na finitude de uma praia perdida.

Pegadas solitárias, definidas, distintas e sem destino,
rumo aos rochedos onde se despenha a espuma
da sucessão dos dias e das noites profundas e sem tino.
Pegadas, somente pegadas esperando pela salgada bruma.....



quarta-feira, junho 01, 2016

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA... não deveriam ser todos os dias??

Resultado de imagem para crianças
imagem retirada da net


Em cada um de nós há uma criança que espreita,
ora atrevida, ora birrenta, ora dócil, ora inquieta.
Em cada um de nós existe uma porta estreita
por onde passa a alma de criança sempre desperta,
sempre em busca, sempre atenta à descoberta.

Em cada um de nós há um cantinho silencioso
e escondido habitado pelo menino (a) do passado.
A vida nem sempre o deixa ser de novo fabuloso,
alegre, risonho, feliz na inocência e despreocupado.
Mas ele está lá! escondido à espera para se fazer anunciado.

Saibamos deixar sorrir a criança que ainda temos em nós,
desta vida apenas levamos o que vivemos acompanhados ou sós.
Deixemos a "nossa criança" sorrir.