quarta-feira, outubro 16, 2019

SOU SOMBRA




Sou a sombra que permanece na estrada
alongada de passos feitos, e por cumprir.
Sou a poeira que encobre a vida passada,
e a brisa que escreve o futuro sentir.
Sou a sombra que passa e a sombra que fica,
moldura intemporal de um único caminho,
e sou pergaminho que o tempo certifica,
anciã memória em partilhado escaninho.
Sou a sombra da sombra que o tempo arrasta,
e a poalha fina que o orvalho empoa.
Fantasma efémero, que o sol engasta
em anel de fogo. Ou em afoita proa
de encanecida caravela cortando o mar,
rasgando o caminho, trilhando história.
Sou a sombra que resta d’uma canção de embalar,
sou a sombra esfumada de uma ave migratória.

Lágrimas de lua

domingo, outubro 06, 2019

VOZES DO PASSADO


Se um dia ouvires a voz que se levanta do passado,
perdido, esquecido, duramente silenciado,
não olhes! Não oiças! Não queiras sequer saber.
Afasta todas as palavras e tudo o que possam conter.
Se um dia o coração se rasgar, doendo no peito,
cala-o, como calaste um dia um amor eleito.
Não olhes! Não oiças! Segue, apenas, sem pensar,
olha em frente sem sentir. É assim o teu caminhar.

Se um dia a solidão se abater sobre a tua altivez,
quebrando a dureza e o desamor, então, talvez
entendas o rasgo que abriste sem consideração,
sem dó, sentimentos, respeito ou contemplação.
Se um dia o passado te gritar das profundezas,
não oiças a sua voz! Amordaça-o!  Enche-te de certezas,
essas mesmas com que te vestes e te exibes,
essas mesmas que jamais te coíbes
de mostrar, como grande mestre desta vida.
Se um dia o passado te sondar…mostra-lhe a saída,
como um dia me foi dado provar….

Lágrimas de lua

terça-feira, setembro 24, 2019

COORDENADAS POLARES




















De olhos cerrados ao ruído da vida, parti!
Parti de mim e dos outros… apenas fluí.
Senti o sopro do vento agreste, e o sal; duro,
de um mar que envolve e abraça; ninho seguro
de uma alma em viagem, de um ser em busca,
de um corpo que respira e sonha e em si rebusca
todos os acordes de uma muda melodia.
De olhos cerrados sigo ao som de uma fantasia.
Num pólo que não tem avesso nem direito,
lanço todos os silêncios, escuto o coração no peito,
ganho olhos de milhafre, e alma de pomba amável,
vogo em concha de perdido nautilus palpável,
da vida contorcida em partos sem retorno.
É um caleidoscópio de verde, e um abismo moreno,
rodopio de insustentável leveza sobre um olhar sereno.
De olhos cerrados ao ruído da vida, mergulhei
nesta viragem de polares agitações, e pintei
uma tela de involuções em verdes intemporais.

Lágrimas de lua



sexta-feira, setembro 06, 2019

APENAS UM DIA....






Melodia que passa, como chuva singela de verão,
refrescando o peso do calor da desilusão.
Acordes que volitam como andorinhas sem rumo,
como gotas de orvalho, em folhagem que esfumo
entre as neblinas da memória.
Entre as linhas de uma qualquer história,
sons que gravitam com flores em cachos perenes,
vida que passa em furiosa corrida, em passos solenes.
Rubras bocas de beijos por nascer,
vazias mãos de desejos a fenecer.
Melodia que passa como desfigurada alucinação,
por entre os dedos, como água de azul tentação,
como sonegado sonho de menino em cais de espera.
Como sopro de uma esquecida Primavera.


Lágrimas de lua

terça-feira, agosto 27, 2019

SAUDADES....





Saudades!
Um sentimento agridoce que marca,
que assola com a força de um vulcão.
Saudades!
Sentimos do que foi bom; abarca
sonhos, desejos, risos; vida em profusão.
Saudades!
Não as quero calar, mas não as quero dizer,
quero que sejam passado, arrumado sem magoar.
Saudades!
Que sejam apenas memórias, num canto do viver,
como águas passadas de um longo caminhar.
Saudades!
Apenas as temos do que foi bom.
Cala-las? Não! Arruma-las para a eternidade,
sinal de que a vida teve o seu dom,
vibrou, cresceu, deu-se e calou-se na desigualdade.
Saudade? saudade…  saudade…

Lágrimas de lua

segunda-feira, agosto 05, 2019

PALAVRAS AO VENTO






Escrevo no sopro do vento norte
palavras de destino e esperança,
como quem vislumbra nova sorte,
novos rumos, auroras de mudança.
Dias de paz e solidão.
Dias de dourado perdão.
Escrevo na brisa do vento suão;
olhares de tenebrosa ausência,
lágrimas de distante ilusão,
de ingénua e mordente consciência.
Dias de calado coração.
Dias de antiga desolação.
Escrevo nos alvores da primavera,
o que, no inverno, o céu chorou,
e o outono fez sonho e quimera.
E o verão aqueceu e fermentou.
Dias de inebriante emoção.
Dias de insano amor e paixão.


Lágrimas de lua

quarta-feira, julho 24, 2019

NO IR E VIR DOS INSTANTES....





Somos, na vida, um ir e vir constante.
Nem sempre luz nem sempre sombra,
nem sempre amado, nem sempre amante.
Guardamos o caminho que ensombra
e o que desvenda o mais longe, mais além.
Somos gigantes e anões, o carrasco e o refém.
Somos a noite e o dia, num sim e não infernal,
somos o génio e o monstro, mudando a cada instante,
somos a paz e a guerra, somos gente e animal.
E somos o querer e o não querer gritante,
somos o que dizemos e calamos,
o que expomos e guardamos…
Somos tão só viajantes, presos na dualidade
dos passos que dando, não damos,
em busca de eternidade.

Lágrimas de lua

SOU SOMBRA

Sou a sombra que permanece na estrada alongada de passos feitos, e por cumprir. Sou a poeira que encobre a vida passada, e a b...