segunda-feira, setembro 28, 2009

AS PALAVRAS QUE NÃO TE DISSE

As palavras que não te disse,
os momentos que não vivemos,
esta memória que persiste
e as rotinas que mantivemos,
tudo termina num sopro fugaz
de anjo, em breve passagem.
E este vazio duro e vivaz
que deixaste na aragem,
cola-se à pele como pó,
magoa ferozmente sem dó.
As palavras que não te disse
e jamais te direi
ficam no silencio triste
nas lágrimas que calarei.

domingo, setembro 27, 2009

A UM AMIGO MUITO QUERIDO


Hoje escrevo a lágrimas de saudade:
Partiste!

Partiste e o teu lugar de eternidade

dói como um ferro ao rubro.

Partiste!

Partiste e agora descubro

que vivemos tanto e tão pouco.

Riamos à momentos deste mundo louco

e agora...Partiste!

Ficam os teus olhos, a tua voz,

ficam as tuas mãos e os risos,

ficam os momentos a sós

e as zangas, as conversas, os sorrisos.

Partiste!

Tanta coisa que não fizeste e querias,

tanto sonho por indolência não cumprido.

Sei que se pudesses aqui estarias

mas a hora era a tua; Com ou sem sentido

era tempo de partires e...

Partiste!

Segredo ao vento no aroma da terra

onde me ensinaste a "ver" a serra,

a ser aquela que escuta e sente,

que vibra e se transcende.

Partiste!

Mas a semente que plantaste,

essa AMIGO, ainda VIVE, eternamente.

sábado, setembro 12, 2009

ALMAS QUE PENAIS

A chuva, descendo suave, caiu

mansa e sombria como o dia,

tristonho, enfadonho e frio.

As gotas pérfidas e desconsertadas

cravaram as garras à porfia

nas minhas mãos desgarradas,

abertas, inertes, silenciosas.

A esperança morre tarde,

solteira, enrugada. Desastrosas

as almas que com ou sem alarde

vivem dela, por ela caminham.

Tristes almas que penais

nas estradas que se alinham

no horizonte longínquo e pensais;

A Esperança é o caminho.

Ai de vós que soçobrais!

Ai de vós que vos perdeis!

Porque a Esperança morre de mansinho.