domingo, janeiro 24, 2010

IMAGEM NO ESPELHO


A imagem que o espelho reflectia era a de um rosto mais velho. A pele, que jamais fora brilhante e bonita, agora tinha a marca que os anos iam impondo aos poucos, a flacidez ia tomando lugar, e as rugas, ainda finas mas já visíveis, iam deixando pinceladas de vida passada e vivida.
Nunca gostara de espelhos, durante toda a sua vida olhava para eles apenas para ver o conjunto de si mesma se lhe agradava ou se tinha que mudar algo, mas nunca dedicava atenção à sua imagem reflectida naqueles pedaços de vidro espelhado, parecia-lhe pura perda de tempo estar em contemplação e admiração de si mesma, o espelho era para ver como estava o todo, nada mais.
Mas agora olhava com mais atenção aquele rosto que lhe devolvia o olhar e o meio sorriso, olhava e via a percurso dos anos. Não que a assustasse, ou que a deixasse triste ver que envelhecia. De todo! Apenas lamentava o tempo que desperdiçara, a estrada que percorrera não fora a melhor, mas...Provavelmente também não fora a pior, fora a que tivera que ser, a que fora "superiormente" decidida, se é que assim podia pensar e dizer. Enquanto escovava o cabelo já com algumas cãs, das quais gostava bastante e exibia sem medo, ia observando a expressão do seu rosto; As faces descaiam já um pouco, as rugas de expressão nos cantos dos lábios eram mais notórias agora, e as finas linhas nos cantos dos olhos também, os lábios continuavam os mesmos, carnudos sem ser em exagero e descaídos nos cantos, o que lhe dava um sorriso quase sempre triste excepto quando abria o riso e aí sim, era menina de novo, as suas gargalhadas continuavam bem dispostas e alegres como sempre. O pescoço afinara e também já se notava alguma pele sob o queixo. Estava a ficar velha!
Mas gostava no geral do que via, só lá bem no fundo do olhar que o espelho devolvia se notava a tristeza do que perdera, do que não vivera, do que não fizera, de todas as sementes que não plantara à beira do seu caminho, e dessas outras que haviam dado flores e que por isto ou aquilo haviam secado no Estio da vida, ou no Inverno da morte. Deixava que a memória a atraiçoasse e a levasse de regresso ao passado, ao seu passado; - Revia os amores infelizes, jamais conseguira ser verdadeiramente feliz no amor. Tivera bons momentos, mas fugazes e breves, nada que guardasse ainda a seu lado, tudo lhe escorrera entre os dedos como água de um ribeiro que jamais pára, jamais se detém e sempre flui. Revia as amizades grandes e duradouras, belas e fortes como o amor nunca fora, e aí sim o espelho devolvia-lhe um sorriso aberto de boas lembranças e momentos alegres e felizes. Revia a família, aquela família que ela tanto amara de menina e que depois de adulta a desiludira tanto e tão profundamente, quantas lágrimas não haviam caído daqueles olhos escuros que no espelho se enchiam de novo da névoa húmida que sempre os povoava mal se lembrava de certos episódios mais marcantes. E o tempo ia recuando sem piedade, mostrando a vida que levara, a estrada já percorrida e que se afigurava como uma dessas rectas intermináveis em planuras Alentejanas em plena Estiagem; Uma longa fita de alcatrão negro apenas, pisado, marcado pelo rodado dos automóveis que vão e vêem, vão e vêem incessantemente, sem mais cuidados, apenas passam na voracidade do tempo e na urgência das horas e das distancias.


Era tempo de parar o devaneio. O cabelo estava penteado, o espelho mostrava-lhe uma mulher madura, sobriamente arranjada mas com gosto e descrição como sempre fora. O conjunto parecia-lhe bem!
Apagando a luz da casa de banho, encostou a porta deixando lá dentro o reflexo de um sorriso eternamente triste, e uns olhos povoados de lágrimas, mas a mulher que pisou a rua ia de novo segura, madura e serenamente confiante, a sua máscara diária que raramente a traía.

sábado, janeiro 23, 2010

LAGRIMAS DE LUA

Um fio de prata brilhante

caindo do céu negro, aveludado,

desce manso e deslizante

desce brando e prateado.
Cai devagar sobre a terra,

deserta, nua, silenciosa,

escorre na planura deserta,

fio de água preciosa.

A lua solta-o do alto

soluçando de mansinho,

lágrimas sem sobressalto

apenas da lua caindo.

Brandas lágrimas, raio de lua,

descendo claro e prateado

sobre a terra deserta e nua,

tributo a algum pecado.

Um fio de prata brilhante,

desce somente da lua...



sábado, janeiro 16, 2010

NEGRO ANJO


O anjo negro abriu as asas sobre o mundo,

ceifou vidas, casas, sonhos e deixou

atrás de si o silencio magoado e profundo

das almas que ficaram. O grito chorou

bem alto na noite imensa e insana.

O negro anjo rodopiou sem descanso,

arrebanhou nas asas silenciosas

o grande, o pequeno, o raivoso e o manso,

como canoas leves em vagas alterosas

num fragmento de noite tirana.

O grito morre na garganta atordoado

e sem cor, a dor mora no lamento

do olhar aberto de horror estampado,

e o coração chora no passar do tempo

sem entender o voo do negro anjo alado.

segunda-feira, janeiro 11, 2010

DISTANTE FEITICEIRA

Desce a noite mansa sobre o coração vazio,
a lua feiticeira distante, rebrilha, prateada
no escuro céu, opaco manto frio.
O silencio pesado,minha companhia alada,
caminha denso a meu lado, passo a passo,
percurso batido e sabido que faço
de cor e sem sentido, vogando como folha
na imensidão de um vago sentir não sentindo.
Ao sabor do vento quente flutuo numa bolha
isolada e transparente, subindo sempre subindo,
descendo cada vez mais descendo...
E doendo, doendo, sempre doendo.
Nasce um novo dia sobre o coração vazio,
a bruma fresca da manhã acorda a vida,
só não aquece este eterno e duro frio
que me invade sem tamanho nem medida.

sexta-feira, janeiro 08, 2010

QUANDO


Quando a lua descer sobre as águas

e dos raios prateados tecer sonhos brilhantes,

e o frio da noite calar todas as mágoas

e das duras lágrimas fizer tiaras de diamantes,

o grito trancado na garganta terá voz.

Quando o Inverno cobrir com o seu manto

toda a dor e a agonia, toda esta heresia

de uma alma em chaga e mudo pranto

e enterrar de vez a louca e doce fantasia.

Este grito agudo e mudo terá voz.

E quando o sol romper de novo as trevas

do querer desmesurado e quase maldito,

e tu, alma velha, de novo te atrevas

a acreditar que tudo é possível e infinito,

então o grito cantará no teu peito a plena voz

não mais prisioneiro de um inventado "nós",

liberto dos grilhões de um sonho belo mas atroz

bordado por minhas mãos a ponto de retrós.

Quando a lua descer prateada sobre as águas...

sexta-feira, janeiro 01, 2010

LIVRO NOVO


Livro aberto no regaço

as páginas imaculadas,

aguardam mansas pelo traço

das minha letras desenhadas.

Livro em branco, novo ano.

Quantas linhas por escrever,

quantos sonhos, tristezas e dano,

quantas alegrias por viver?!

Nas tuas páginas desertas

ávidas de tinta e de cor,

escondem-se mil descobertas,

tristeza, sonhos, lágrimas e amor.

Livro aberto no regaço,

caneta à espera entre os dedos,

de escrever mais um pedaço

dos meus sonhos, vida e medos.

Novo livro no regaço...