quinta-feira, dezembro 29, 2016

ATAVIADO TEMPO SEM TEMPO.


O tempo corre, ataviado, em egoísmos e desamores,
em negras tintas de um carvão chinês - ancião - selecto.
O tempo corre: vá lá saber-se para onde - corre - escoa-se,
perde-se, ganha-se, esvai-se, mata-se, descobre-se, enevoa-se.
O tempo corre - nos Invernos frios -, nas manhãs sem alvores
e nos ocasos infectados de alaranjado deserto.
A vida dedilha-se num fado sem som, em garganta cristalina,
e caminha-se: com pés de anjo, com penas de andorinha,
com olhos de garça e corpo de diletante golfinho.
A vida bebe-se e come-se - pão e água: pão e vinho;
E embriaga-se numa miragem, qual pendente de opalina,
a vida rompe-se, como véu de noiva, como nuvens de morrinha.
O tempo passa, passando a despassar, arrastando as estrelas - o mar.
O tempo voa: gaivota cega de amor, derrubado em extinto vulcão.
Grita e agita-se, como víbora, hiante, de insano veneno,
como olhar saudoso, aguado, nas dobras deste sereno.
O tempo rasteja: encolhe-se, distende-se; Cresce no luar.
Agita-se, revolta-se; A vida faz-se VIDA no vento suão.
O tempo corre - com o diabo no ventre - e o fogo nas mãos
nuas de desencanto. Vazias de sal e lágrimas - ocas, vãs.
O tempo corre, como pincel em mãos de poeta,
como risos em madrugada encoberta, 
como voos rasantes de milhafres pagãos.
O tempo corre em direcção ao futuro, numa rumba de titãs.

O tempo corre... O tempo esvai-se ... O tempo morre.





terça-feira, dezembro 20, 2016

TALVEZ O "MEU" NATAL...












Hoje não vou procurar rimas nem encontros de palavras,
não vou querer poetar em termos de poeta - tonto de esperar.
Não! Hoje vou deixar que o meu corpo e alma falem, devagar.
Quero sentar-me ao frio matinal e olhar o céu - azul gelado -,
e vou vestir-me de nuvens brancas, rosadas: de vento Russo,
de sol brilhante, de olor de marés algadas de sal e vida.
Hoje deixo que o mundo me faça ponto de partida!

Hoje deixo a vida tomar conta de mim!
O caminho é para a frente, seguindo os meus pés alados
de esperança. Seguindo os meus olhos pintados de luz.
O medo, a solidão, a distância ficaram dobrados aos pés de uma cruz.
E de novo a Estrela risca o céu - o meu - e indica o caminho,
chega de manso um doce enlevo, uma carícia: calor invisível;
Um calor que atavia a pele, que embandeira a alma - caída.
Hoje empurro a tristeza para a nebulosa saída.

Hoje eu não sou eu: nem sei quem sou - não importa!
Hoje não quero ser nada, nem ninguém: somente uma pena,
uma bola de sabão. Uma agulha de pinheiro, ou uma rena...
Hoje sou o que o vento me fizer.
Hoje sou o que o sol me emprestar.
Hoje sou o Tudo e o Nada: o principio e o fim,
hoje... Quero apenas sentir esta PAZ em mim.

Hoje fez-se Natal - simples, despido, puro - o "meu" Natal, assim.


Feliz, Suave e Pacífico Natal

sexta-feira, dezembro 16, 2016

VESTIR O CORAÇÃO DE NATAL...


Há recantos por enfeitar e poeira por limpar.
Esta casa está vazia, no frio gélido do desencanto.
Abrem-se os olhos, mexem-se as mãos a esquadrinhar
os esconsos arrabaldes de uma vida sem espanto.

Toco a chuva com sonhos ávidos e lábios perdidos,
ensaio uma dança com passos líquidos, entorpecidos.

Pinto o rosto, de arlequim moribundo, enluvo a alma,
calço o coração com sapatos de penas e plumas
e visto a solidão com folhas ásperas de palma.
Pego na tela branca, enfeito-a de auroras e brumas,

guardo, na caixa da memória, as curvas de uma estrada
que me cansei de ver, percorrer, imaginar: para nada.

Abri a casinha de chocolate, plantei o feijoeiro, calcei as botas,
fui ao baile e não perdi o sapatinho: perdi as asas de sonhar,
voltei ao lume e ao borralho, perdi a partitura - todas as notas.
Compus de novo as letras, juntei todas as palavras a arranhar

a vida, a sangrar o coração, a despir a alma em fogo gélido.
Há recantos por enfeitar e um pó aguado por limpar – fétido.


É apenas tempo de VESTIR O CORAÇÃO DE NATAL- se for possível.


segunda-feira, dezembro 12, 2016

CICATRIZES DE VIDA

O meu corpo é um mapa onde se lê a vida,
onde se lê cada caminho percorrido, vivido.
O meu corpo tem cicatrizes de pomba sofrida
e de anjo tombado: de um céu passado, perdido.
O meu corpo tem os rasgões de farrapo gasto
e as lantejoulas de alegrias de sabor casto.
O meu corpo é um mapa onde a alma se encontra
e o coração se esconde, e os anos se aninham sem fim.
O meu corpo tem as marcas que os gumes, sem conta,
lhe deixaram escritos - como poemas de marfim.
O meu corpo guarda as feridas sem penso nem balsamo,
sem unguento nem sutura; apenas abertas, sem cálamo.
O meu corpo tem cicatrizes de um percurso que a via abriu,
tem trilhos de história que fazem de mim - eu.
O meu corpo tem punhais cravados e estrelas que ninguém viu.
Tem cores de arco-íris e jasmins, rosas, violetas de um jardim meu.
O meu corpo tem as estradas que a vida lhe escreveu,
as memórias, os sonhos, as páginas recônditas que ninguém percorreu.
O meu corpo é um mapa de caminhos entrecortados
de esperanças truncadas, de soluços calados e alegrias passadas.
O meu corpo é um livro de capítulos enevoados
e de marcas de melodias estranhas, tortas e enviesadas.
O meu corpo é a cicatriz do tempo, das mil histórias retalhadas
que a vida lhe escreveu. O meu corpo é tabernáculo de orações soluçadas.
O meu corpo tem escrito um amor feito punhal
num sonho que soçobrou, e uma lágrima que se perdeu na eternidade,
tem um lenho que o travessa e um rio de manso caudal,
tem uma estrela que se cala no frio da crueldade.
Mas o meu corpo encerra a força de cada cicatriz magoada,
a luz de cada lua esforçada: de cada nova madrugada.
E tem páginas por escrever e sóis por amanhecer,
embora marcado - cicatrizado -, o meu corpo ainda luta,
ainda sabe caminhar e querer, ainda esgrima por sobreviver,
espera, calado, no silencio: espera em serena e leve escuta.

O meu corpo tem cicatrizes que a vida lhe traçou,
um vestido duro e belo de um percurso que passou…






sexta-feira, dezembro 09, 2016

ENIGMA

Imagem relacionada
imagem retirada da net



Toca um piano na brevidade esparsa da lua,
numa noite de ventos do mar.
A cada nota, uma criança de alma nua
volteia, cega e muda, errando o verbo amar.

Melopeia de embalar os sonhos jamais sonhados,
os desejos presos, toscos e inconfessados. 

Toca um piano, notas soltas, na noite de espanto,
de solidão e de perdidos passos sem destino.
A música eleva-se: breve pomba de arrolhar de encanto,
ecoa, distende-se, contrai-se: negro peregrino

de passos torpes e mãos de gélidas madrugadas,
de olhos glaucos e preces breves, dilaceradas.

Toca um piano as dores de um parto ardente
e a suavidade de um amor por fazer, por crescer,
e as teclas vibram sob a pressão crescente
das mãos que acariciam as notas a nascer.

Melodia de menino de olhar triste e perdido,
que o cais vê e o mar abraça, um horizonte sem sentido.

Toca um piano pela noite de esperas, longas, frias,
e a alma embranquece, e o coração morre um pouco mais.
E a melódica harmonia eleva-se, estonteada de fantasias,
ataviada de plumas e rendas: tão oca, vazia, ébria demais.

Escondeu-se a lua, envergonhada de nudez breve,
o mar calou-se e o vento adoçou-se numa aragem leve,

e o piano chorou, o homem, sobre ele, os sonhos derramou,
entregou a alma e despiu o medo. Agarrou farrapos de vida,
fez deles um manto de negra esperança e dançou,
com asas de gaivota curiosa e pés de bailarina esquecida,

e o piano, pela noite fora, apenas soluçou as notas de um enigma.