sexta-feira, novembro 30, 2007

PELOS CAMINHOS

Pelos caminhos da noite, passo a passo de mansinho,

escoam-se os sentimentos, dores, mágoas p'lo caminho.

Na escuridão do vazio o silêncio faz-se voz,

retalhos de uma vida vivida numa passagem atroz.

Chove...Faz sol...Nada importa,

o tempo passa sem cor,

este barco já não comporta

nem mais um pedaço de dor.

Cruzo o espaço vazio como estrela cadente

num ténue raio de luz esmoreço, transparente,

pelos caminhos do mundo, alma penada somente,

nuvem desgarrada, rolando no céu eternamente.



(foto retirada da net - olhares)

domingo, novembro 25, 2007

TORMENTOSO DIA

O nevoeiro descia rápido pela encosta vestida de tons de ocre salpicada aqui e ali pelos perenes verdes. Puxando o capuz do blusão sobre os cabelos curtos e encaracolados, correu o fecho até acima e continuou, em passos desordenados, a descida.
Bem constituída sem ser excessiva, de pernas altas e bem feitas, mãos esguias e flexíveis, ágil e de porte elegante, quem a vê passar olha duas vezes, é uma mulher que prende o olhar, seja pelos olhos de um castanho profundo e meigo, seja pela figura que tem o seu quê de imponente e marcante, não deixa, quem com ela se cruza, indiferente. Mas hoje vai sozinha, o rosto contraído e sombrio, a ruga na testa e os lábios franzidos, as mãos teimosamente metidas nas algibeiras, olhos no chão e pensamento não se sabe onde. A natureza que tanto ama, que tanto desfruta, está ali ao seu lado, sem que a veja, sem que a sinta como só ela consegue.
O coração vai em chaga, o pensamento vai em fogo, a alma vai desfeita e a vida sem sentido escoa-se nos passos que as botas de escalar pisam sem rumo. Subira a serra, a sua bem amada serra, feliz, estava uma manhã de sonho, um sol vermelho anunciava-se no horizonte, a mochila às costas e o casaco quente, as botas de serra como lhes chamava e um sorriso nos lábios e o dia prometia ser um sonho. A sua meta, o topo, de onde a vista abarca um espectáculo fabuloso e deixa quem se atreve à escalada, extasiado com o mundo aos pés. Lá bem no alto a umas boas três horas de caminhada aguardam-na os segredos e mistérios da resistente anta que por lá permanece desafiando o tempo, as intempéries, as mãos humanas pouco cuidadosas e menos conhecedoras, também a voz do vento agreste e fresco que sempre sopra, e aquele silencio interior que só ali consegue e a deixa em paz. Neste dia porém aguardavam-na bem tristes e devastadoras noticias.
A escalada tornara-se um pouco mais difícil devido ao vento que entretanto virara e se abatia duro sobre a encosta escarpada, mas, habituada ás viragens súbitas do tempo subia a pulso e pinos a falésia pelo lado que mais gostava e mais difícil se tornava, o que estava virado ao mar. Não se permitia um segundo de distracção e nem o grito agudo das aves nem o marulhar forte da rebentação lhe tiravam a concentração. Chegada à sua plataforma de repouso ao fim de uma hora e pouco de subida sentou-se a olhar o mar imenso e já encapelado que se arremessava bravio contra as rochas. Tirou o termo com chá quente e as bolachas de maçã que sempre levava, da mochila que pousara a seu lado no diminuto espaço. Aquela primeira paragem era-lhe tão cara como a “sua” anta lá bem no topo. A meia encosta os ninhos já eram bastantes e se se mantivesse sossegada e sem mexer muito aos poucos os casais voltavam para os lares para dar atenção às crias e ovos, por isso, se mantinha o mais imóvel que a sua natureza irrequieta permitia, e desfrutava de momentos únicos junto das avezitas recém emplumadas e dos ninhos com ovos que eram com todo o esmero aquecidos passado o primeiro susto provocado pela sua chegada.
O céu ia-se toldando aos poucos e as ondas iam subindo de tom no estertor da rebentação, o seu olhar apurado vislumbra no nevoeiro que se adensa sobre as águas uma sombra oscilante. Uma embarcação! Tão perto da costa?! Num local onde a navegação se faz bem mais ao largo…Estranho, teria perdido o rumo com o nevoeiro espesso? Estaria em apuros? O rosto da rapariga franze-se tentando ver mais além, mas os dedos frios e húmidos da névoa colam-se às pestanas e pálpebras não permitindo ir mais além do que uns escassos metros de visão e mesmo essa bastante deficitária. Resolve encurtar o repouso e voltar à ascensão, para poder ter uma panorâmica mais abrangente lá de cima, isto se o nevoeiro não se tornar no mar leitoso e impenetrável que é normal naquelas épocas. O vento já sopra em rajadas secas e fortes que a fazem abanar como uma simples vara verde presa pela raiz frágil. As mãos enluvadas começam a não responder devido à pressa e perde dois grampos de fixação que a deixam furiosa, mas não menos disposta a alcançar o topo. De quando em vez olha para o mar tentando ver o vulto que sobe e desce ao ritmo das ondas cada vez maiores, sem saber muito bem porque o seu coração começa a apertar-se numa dor que não sabe explicar mas que a obriga a acelerar a escalada. Algo em si dispara em todos os sentidos. Uma dor imensa a inunda como se alguém muito querido estivesse a sofrer a seu lado sem que pudesse fazer fosse o que fosse. Uma ânsia sufocante abate-se sobre ela, tudo em si dispara sinais de alarme e perigo. Tentando raciocinar e não se deixar levar pelo sentimento desenfreado que a invade, firma-se nos pontos de apoio e nas cordas, nos seu grampos e nas suas mãos e pés conhecedores. Mas a sua mente acaba por sucumbir à descarga de adrenalina e deixa-se corroer pelo medo, pela ânsia e pelo desespero sem que saiba porquê nem de onde vem. Algo inexplicável a domina e a obriga a tentar subir o mais rápido que consegue, descura a segurança, perde o seu habitual sangue frio e domínio e só uma palavra lhe martela no cérebro; Chegar lá acima! Porquê? Não sabe. Para quê? Também não, apenas sabe que tem que chegar quanto antes.
Os pés já não buscam o trilho certo, as luvas já rasgou uma nas arestas da escarpa e a mão está cortada num golpe profundo que deixa rastos de sangue pelas rochas. Finalmente atinge o cume. Firma-se nos pés esgotados e olha de cenho franzido o mar. Um grito de pavor ecoa pelos rochedos abandonados e solitários; O barco vem desgovernado e desmastreado direito aos rochedos agudos. Os seus olhos abertos num pavor desmedido vislumbram uma figura solitária no tombadilho.
Conhece aquela capa de oleado, o chapéu da mesma cor que compraram juntos meses antes, conhece a figura masculina que de braços estendidos, como que querendo empurrar a penedia, se despede impotente da vida diante dos seus olhos. Um novo grito de pavor e horror trespassa o ar, as nuvens densas, o nevoeiro que se avoluma, nele vai o nome tantas vezes repetido numa dor sem fim. Imobilizada pelo terror, presa ao chão como se em pedra se tivesse subitamente tornado, assiste ao despedaçar do barco, ao soçobrar do casco e ao desaparecimento do único amor da sua vida. Um amor com o qual rompera havia uma semana, por uma briga estúpida e sem razão, e que precisamente hoje, pazes feitas pelo telefone e encontro combinado na “anta dos sonhos” como ele por graça dizia, voltaria a segurar nos braços e desaparecer no amplo peito que sempre a aninhava quando ele a abraçava.
Sem alento, morta com ele nas águas, sem entender o porquê, nem o que tinha acontecido, atordoada e sem rumo, cai de joelhos no solo. Incapaz de verter uma lágrima, o seu peito estoira de dor, a sua cabeça gira sem sentido. Só uma imagem lhe perpassa nos olhos, o barco despedaçado e o ruído pavoroso da madeira a rasgar nas rochas assassinas, e as águas negras que tragaram em segundos o corpo amado.

...Não sabe quanto tempo permaneceu no chão, esquece o equipamento e encaminhando os passos sem vida reinicia a descida pelo outro lado da serra….

sábado, novembro 24, 2007

PÉTALAS DESFOLHADAS


Olhar para o caminho já percorrido,

ver quantas pétalas desfolhei

quantos erros cometi pelo trilho escolhido.

Quantas lágrimas derramei

pelas brumas do vazio. Saudades

que calo na dor da ausencia permanente,

palavras que escrevi e arrumei, amizades

que perdi, que guardei no coração fremente.

Um ultimo olhar e o vazio é constante,

como seara morta ao vento quente,

o silencio duro e penetrante

pontua as minhas palavras e mente

ao murmurar;

"Lindas as tuas palavras, belo o teu sentir!"

Olhar para o caminho que tenho por caminhar,

com novas pétalas por repartir.

sexta-feira, novembro 23, 2007

PALAVRAS

PALAVRAS;

Como folhas ao vento norte

atiradas, ditas sem pensar,

arrastadas, usadas de tal sorte

que apenas nos fazem oscilar.

PALAVRAS;

Como pedaços de nuvens desgarradas,

quanto mal, quanta loucura

podem causar!São farpas enterradas

no peito feito ternura.

PALAVRAS;

Punhais de duros gumes

usados como ardil,

deixando somente os queixumes,

a traição, o sentimento vil.
PALAVRAS;

Sem sentido nem sentir,

ditas, largadas ao vento,

envolventes como serpentes a mentir.

Delas sobra o lamento,

a raiva, o vazio e a dor,

porque se usa o AMOR?

Palavras....Leva-as o vento!!!

DESENCONTROS

Um caminho por andar,

uma paz por encontrar

uma luz por descobrir

um destino por cumprir.




Passos por trilhar

em lagrimas por secar,

nos sorrisos por sorrir,

nas vidas por florir.

quinta-feira, novembro 22, 2007

ETERNIDADE

Sob o manto escuro da noite imensa

só os passos vazios ecoam.

No silencio morto da ausencia

que o mudo grito da voz calada eterniza,

o olhar sonhado, jamais trocado

e a mão aberta em vã esperança.

SEM DESTINO

Só o negro da noite sem luar me acompanha

no caminho vazio e sem cor.

Só o silencio da ausencia me magoa

nos passos dados sem destino.


Preciso de ti no meu caminho

segunda-feira, novembro 19, 2007

ACTORES


Actores da peça da vida

passamos por ela a representar;

Sorrimos com o coração a chorar,

falamos quando tudos nos pede para calar,

andamos e os nossos pés querem parar.

Entregamos e a nossa alma, dividida,

apenas nos pede para se aquietar,

estamos presentes quando queremos simplesmente não estar.

Damos a vida quando tudo nos manda estacar,

vamos e tudo nos manda regressar.

Actores da peça da vida

marionetas nas mãos do tempo....A passar.

sábado, novembro 17, 2007

CAMINHO MAGOADO

Como o sopro do vento norte,
como a breve alvorada
como o beijo da morte
perdido pela madrugada,
Como a lua tímida que espreita
como as nuvens que afogam o pranto,
como a maré que na areia se deita
e se deixa envolver pelo belo manto
do diáfano sol que renasce.
Como a criança que nasce,
como a vida que se escoa,
como o amor que se perde
como a ausencia que magoa,
como a barreira que se ergue
e a voz que não se ouve.

Caminho trilhado, mil vezes pisado,
caminho torturado.

quinta-feira, novembro 15, 2007

SE EU FOSSE UM DIA

Se eu fosse um dia a asa branca a raiar o horizonte,

se eu fosse um dia o beijo mais desejado,

se eu fosse um dia a voz que entoa o hino mais belo.

Se eu fosse um dia o rio de águas mansa,

se eu fosse um dia o sol poente, a mais bela aurora.

Se eu fosse um dia um olhar teu, um sorriso apenas,

se eu fosse um dia o toque breve, a pele crispada.





Se eu for um dia a voz que não chora,

se eu for um dia o beijo que não fica por dar,

o rio que não se cansa de correr para o mar,

o sol que jamais tem ocaso e a aurora que jamais morre,

se eu for um dia o sorriso que não negas, o olhar que não permites

o toque doce que não se esconde e a pele que não se cala....

Se eu fosse um dia....Alguém

domingo, novembro 11, 2007

NOTAS SOLTAS IV (FIM)


...Ao depor a rapariga no sofá, sente que uns braços desolados se lhe prendem ao pescoço e a cabeça descai-lhe para o ombro, o rosto escondido pelos cabelos em desalinho e os soluços que não abrandam, o corpo magro que se aninha de encontro ao seu, como que a pedir protecção. Desarmado e tocado profundamente como há muito não se sentia, acaba por se sentar no sofá com ela ao colo embalando-a como a uma criança pequena, enquanto sem saber muito bem como lhe fala baixo ao ouvido e acaricia a cabeça, procura o rosto molhado e transfigurado pela dor, pelo falhanço e pelo desespero e beija suavemente os olhos de onde rios de sal correm, tentando com meiguice estancar as lágrimas. O que obtém é um abraço mais forte, e a cabeça completamente encostada no seu pescoço por onde sente escorrer brandamente as gotas salgadas daqueles olhos que pedem socorro sem que ele saiba bem como lhes acudir. Alberto entra devagar para anunciar que o jantar, mais ceia dado o adiantado da hora, está servido, mas ao deparar-se com o espectáculo faz menção de sair sem ser notado, no que falha redondamente, Armando pede-lhe baixo que vá buscar a refeição e a leve para o quarto porque vai tentar leva-la para cima e fazer com que coma e durma.
Ordens cumpridas e sobem os três a escadaria, Armando com o seu precioso fardo no braços, Diana meio adormecida, e Alberto de tabuleiro nas mãos.
Deita-la foi obra de segundos, mas faze-la engolir algo já não foi tarefa tão simples. Acabam por conseguir que coma uma sopa bem quente e depois deixam-na dormir. Armando por precaução havia mandado arranjar o quarto ao lado do seu e deixa a porta entreaberta dos dois quartos, O seu sono é leve e não será difícil despertar se a rapariga se levantar ou chamar durante a noite, algo lhe diz que a noite vai ser longa e nada fácil. Alberto desce com ele para jantarem e comentam o estranho acontecimento, que motivos terá para se lançar pelo espaço como pretendia? Que segredo se esconde naquela alma transtornada e aflita, perdida e sem rumo?
No escuro do quarto desconhecido, aconchegada no calor dos lençóis Diana não concilia o sono, a sua cabeça rodopia como um caleidoscópio louco, girando, girando, girando sempre sem parar….A saída da consulta médica em que o diagnóstico não deixava margem para duvidas, e a recepção em casa, as portas fechadas dos supostos amigos, e o peso da desilusão, da vida sem sentido e sem, mais rumo algum. Agora ali, tudo passava como se de um filme se tratasse, aquele dia decorria diante dos seus olhos, como se fosse externo a si. Não, aquela não era ela! Aquela não era a mulher determinada e segura que sempre seguira em frente ponderando mas decidindo. Não aquele farrapo que descia as escadas do consultório não era ela! Era a protagonista de uma película de fraca qualidade, e sem gosto algum! Mas, bem no fundo da sua alma a voz gritava-lhe sem cessar; - “Acorda mulher! Essa és mesmo tu daqui em diante, não escondas a verdade nua e crua de ti mesma. Essa és tu, sim!”
Senta-se na cama e olha em redor, apenas vislumbra os contornos dos móveis, o odor de quarto que não é usado há algum tempo, um leve cheiro de flores secas nas quais ainda permanece um ténue perfume. Levanta-se, descalça e estonteada, às apalpadelas caminha para não tropeçar em nada e acordar a casa toda, segue o raiozinho de luz que pela porta se escoa e vem até ao corredor ficando a oscilar na balaustrada, a escada abre-se aos seus pés, mas ao por o pé nu no primeiro degrau uma vertigem apaga-lhe momentaneamente os sentidos e sente-se cair no vazio.
Acorda minutos mais tarde de novo na cama, com um rosto entre o zangado e o expectante sobre o seu. Armando ouvira os passos e viera atrás dela amparando-a de novo na queda.
-“Porque insiste em ser teimosa Diana? Ainda não percebeu que o seu estado embora sem ser grave requer repouso? Vamos passar a noite a tentar evitar que se magoe mais ou aconteça algo de mais grave? Amanhã, quando estiver mais calma e repousada tratamos de falar e tomar medidas, mas hoje só a quero na cama sossegada e a dormir, para repousar e recuperar alguma paz. Pode ser? Peço muito?” – Diz Armando em tom firme entre o zangado e o meigo. Só um acenar negativamente lhe reponde e, obedientemente a moça deita-se adormecendo quase de imediato, não sem antes ter sentido um leve beijo no cabelos que deixou ambos intrigados, ele porque o fez impulsivamente, ela porque apanhada de surpresa, mas mais, porque aquele beijo a encheu de paz e confiança.
A manhã nascia límpida após a tempestade da véspera apenas o ar estava mais frio. Alberto preparara o pequeno-almoço e aguardava por ordens para o servir onde fosse preciso. Armando desceu como habitualmente, fresco e revigorado, havia passado pelo quarto da sua inesperada hospede e encontrara-a a dormir profundamente, no rosto uma expressão de paz e uma beleza que o cativara, o cabelo espalhado pela almofada, a correcção dos traços agora relaxados e calmos, os lábios rosados e entreabertos numa respiração suave, e uma das mãos abandonada docemente sobre a colcha. Para ali fiou uns minutos deixando-se invadir por uma série de sentimentos que nem ele sabia definir muito bem, apenas o cativava aquela presença desamparada e o enigma que a envolvia. Acordou dos seus devaneios a um leve movimento da rapariga, e apressou-se a descer. Tomou o pequeno-almoço na cozinha na companhia do fiel criado, coisa há uns tempos vinha sendo hábito. Mal haviam terminado a refeição ouvem um breve, bom dia, peço desculpa, que levantou os dois das cadeiras como se tivessem sido picados por uma centena de abelhas. Diana, ali estava, pálida é certo, mas composta, repousada e serena. Alberto tratou de arranjar o tabuleiro para levar para a sala, mas a rapariga afirmou que a cozinha, quente e aconchegante como estava era um lugar perfeito para comer, de longe preferia estar ali do que na frieza e austeridade da sala. E sentando-se desarmou os dois homens, que a olhavam atordoados. Alberto serviu-a de café acabado de fazer e de pão quente e fresco, a manteiga e o doce, o queijo e a fruta estavam ao alcance das mãos esguias e ainda inseguras. Armando deixou-a comer mas após a refeição fez questão de a ouvir, encaminhou-a para o salão onde estivera na noite anterior e delicadamente foi tentando saber o que se passara. Não contara porém com a dor que na alma dela ia e no desalento profundo que a assolava, e assim, após algum tempo em que ela fugia ás questões e ela a encurralava, Diana pediu delicadamente desculpa e acrescentou; -“ Armando, permita-me que o trate assim até porque nem sei o seu apelido, não tenho palavras para lhe agradecer o seu gesto, a delicadeza com que fui recebida na sua casa a atenção que me dispensaram, e tudo o que por mim fizeram. Um ser humano tem por “obrigação” salvar outro quando o vê em situação de perigo, mas peço-lhe que esqueça esta noite, não me conhece, jamais me viu e não verá nunca mais. Nunca deveria ter impedido o carro de se despenhar e com ele eu, posso parecer-lhe….Tudo o que quiser pensar de mim, pouco me importa. Apenas sei que de uma forma ou de outra nestes derradeiros momentos levo comigo o verdadeiro significado do, vai-me perdoar, “amor”, sim…Por favor não faça essa cara, falo de um amor desinteressado, o amor como eu o entendo, sem esperar nada em troca. O Armando deu-me hipótese de voltar a acreditar que é possível estar-se e ser-se para alguém, inclusive que se desconhece, ensinou-me a voltar a acreditar no ser humano, e é por essa lição que lhe agradeço do fundo do coração. Parto mas vou com uma paz que pensei perdida. Obrigada por tudo.” – E levantando-se deu por terminada a conversa. Armando por sua vez seguia a evolução da conversa cada vez mais determinado a não perder aquela mulher, que por alguma razão desconhecida o cativava, lhe devolvia o calor ao coração, tão frio desde a morte de Helena. De um salto levantou-se e envolveu-a nos braços com efusão. Apanhada de surpresa, debate-se empurrando com força o peito dele, mas sentindo-se cada vez mais apertada naqueles braços quentes e possantes acaba por deixar de se debater imobilizando-se ao contacto doce dos lábios de Armando sobre os seus. O beijo emudeceu a sala, apagou o mundo, parou os corações. Diana entreabriu os olhos e apenas foi capaz de murmurar; - “Porque o fizeste?” – – “Porque não te quero perder, muito menos que saias daqui pronta para me matares ao terminares com a tua vida.” – Foi única resposta que se ouviu na imensidão do salão.
Lá fora uma suave brisa com eflúvios do mar beijou docemente o jardim já vestido de Outono, e o marulhar das bravias águas chegou até eles, cada um ouvindo-o de maneira diferente, o que os levou enlaçados até à beira da fatídica falésia.
Diana olhou para a pequena baia enquanto Armando a olhava a ela admirando o perfil bem desenhado. Com o mar por testemunha um novo e demorado beijo selou o pacto de uma nova vida.

sábado, novembro 10, 2007

DIZ-ME ...PORQUÊ?

Porquê?



Diz-me simplesmente, porquê?

Porque caem as folhas douradas,

morrem os sonhos mais queridos,

desfalecem as esperanças ansiadas,

ficam nas mãos os desejos feridos.

Diz-me simplesmente, porquê?



Porquê?



Diz-me somente para quê?

Para que abro as portas à vida,

para que acredito no impossível,

para que me desdobro dividida

inventando o meu "possivel".

Diz-me somente para quê?



Porquê? Porquê? Porquê?!!!

quarta-feira, novembro 07, 2007

NOTAS SOLTAS III

....Alberto afasta-se discretamente para que a rapariga ao acordar não se assuste, já basta estar numa casa desconhecida e ter um rosto masculino e ansioso sobre o seu. Aos poucos a cor vai voltando, e os olhos entreabrem-se a medo, mostrando uma estranha cor de avelã. Armando também recua um pouco, o suficiente para que ela se mexa à vontade e vá entrando na realidade que a rodeia o menos bruscamente possível. Os lábios movem-se e um fio de voz faz-se ouvir, Armando, esquecido do seu propósito aproxima-se rapidamente tomando-lhe uma das mãos pendentes, que provoca nela uma agitação violenta e um grito rouco acabando por se sentar hirta e apavorada no sofá, tremendo convulsivamente. Os olhos percorrem a sala num pânico desmedido e acabam pousando nas duas figuras masculinas que a olham sem saberem bem o que fazer.
A pergunta, onde estou, soa num misto de medo e desespero. Armando ajoelha-se ao lado do sofá e em voz baixa e quente, pergunta-lhe se se lembra do que aconteceu. Duas lágrimas correm pelos estranhos olhos e mais duas se seguem, a cabeça pende para a frente como que escondendo uma dura realidade que não quer conhecida, que não quer revelar. E um simples aceno de cabeça responde à pergunta.
“ – Então se se recorda do que aconteceu, sabe que esta estrada não tem saída, verdade?” – Perguntou Alberto do seu canto.
“ – Sei, há muito que sei que este caminho leva à falésia, e há muito que o faço sem nunca ter chegado ao destino….Hoje foi só mais uma tentativa….Falhada de novo!” – Responde em voz sem cor.
“ – Posso saber qual o seu nome?” – Perguntou Armando preso da bela desconhecida.
“ – Que lhe importa o meu nome? Sou alguém que impediu de ser finalmente feliz! Deve bastar-lhe!” – Responde a moça com um desespero profundo na voz.
“ – Ser feliz?! O que é ser-se feliz, sabe dizer-me? É que também eu busco a felicidade, tive-a nas mãos e ela fugiu um dia, afastou-se de mim, naquelas falésias. Por isso não me venha dizer que os rochedos trazem a felicidade, garanto-lhe que são apenas portadores de uma infelicidade sem fim….Sei do que falo! Acredite! Mas…Como se chama?” – Disse Armando com a voz igualmente embargada pela comoção.
Ela levantou os olhos para ele e encarou-os pela primeira vez, mergulhou na limpidez e na tristeza profunda que os invadia, e aos poucos foi acalmando, aquele homem trazia no peito uma angústia e uma dor semelhantes à sua…
“ – Diana. Chamo-me Diana.” – Disse estendendo a mão que entretanto tinha retirado das mãos dele.
“ – Muito prazer, Armando Vasconcelos, seja bem vinda Diana, pena que nestas circunstancias….Como se sente?” – Disse um Armando ajoelhado de novo ao lado dela e de alguma forma rendido à beleza estranha e irradiante da rapariga.
“ – Estou tonta, e dorida, mas peço-lhe apenas que me deixe partir, não quero ficar aqui, quero ir embora.” –
“- Lamento desiludi-la Diana, mas esta noite ficará sim, porque o seu carro está mais no fundo da ribanceira do que cá em cima, aproxima uma noite de temporal e eu não vou deixa-la partir assim, voçe está ferida, está magoada e sem transporte. Eu e o meu criado vamos tentar puxar o seu veículo para um lugar mais seguro, mas nada nos garante que sejamos bem sucedidos, por isso, vou ser intransigente e não a vou deixar sair. Perdoe mas não!” – Soou segura e firma a voz de comando dele.
Ainda tentou levantar-se e provar que estava bem, que não queria ficar naquele local onde mais uma vez a sua tentativa de por termo à vida falhara, queria fugir dali, desaparecer, correr para outro local onde ficasse sozinha, sem que ninguém a visse. O peso do novo falhanço era-lhe insuportável. Não queria ver nem estar com ninguém, mas a pancada e o embate violento que sofrera falaram mais alto e ao tentar pôr-se de pé, caiu desamparada para a frente indo aterrar nos braços de Armando, que atento aos seus movimentos, rapidamente a amparou. Sem uma palavra volta a deita-la, lívida, na chaise longue, e sem mais volta-se para o cão que, silenciosamente aguardava a ordem, e saem. Alberto ainda diz que não é muito boa ideia deixarem a rapariga sozinha, porque está em nítido estado de choque e pode fazer uma nova tentativa de suicídio já que o que acabou de tentar falhara redondamente.
Armando arrisca e deixa-a deitada, saindo em passo lesto em direcção ao carro.
Entretanto o vento já soprava rijo e com rajadas vigorosas, chegaram ao carro que ainda oscilava no seu poiso periclitante. Com cordas e um guincho conseguiram puxa-lo para o caminho, e como tinha a chave, vieram com ele para casa arrumando-o dentro dos muros. A chuva já caía fria e fina e o vento uivava a bom uivar. Na sala reinava o silêncio só cortado pelo crepitar das chamas. A manta estava no chão e o sofá vazio. Alberto ia dizer que bem tinha avisado que era um erro, mas Armando travou-lhe a palavra, com um gesto. Aninhada num vão de uma das janelas estava Diana, parecendo uma criança medrosa e assustada, completamente enrolada sobre si mesma, sacudida por soluços brandos. Com toda a suavidade, Armando aproxima-se dela e, a medo, toca-lhe no ombro esperando uma reacção agressiva. Mas apenas e só o choro manso e incontrolado lhe deu resposta. Então com uma meiguice que há um ano ninguém lhe via, pega nela ao colo e trá-la de volta para o sofá, dizendo a Alberto que vá preparar o quarto dos hóspedes, porque ela precisa de comer alguma coisa quente e dormir.....


(continua...)

segunda-feira, novembro 05, 2007

SUSPENSA

No vazio das horas mortas
uma nuvem passa cruzando o céu lentamente,
deixando um rasto de folhas tortas,
secas, rodopiando sem sentido eternamente.




No vazio da vida sem rumo
nasce o sol deita-se a lua,
caminhando em busca do prumo
que acalme a alma fria e nua.

sábado, novembro 03, 2007

TELA IMPERFEITA

Dói a estrada longa e deserta,


os passos que ecoam sem tino,


dói esta aridez concreta


de trilhar sozinha o destino.


Dói o que sobra e o que falta,

o que se deseja e não se alcança,

a raiva e a dor que assalta

na calada da noite mansa.

Dói este caminho sem rumo,

estes passos sem sentido

sem horas e sem prumo,

vazios e ocos, espaço esbatido,

tela inacaba, dor incontida!

PEDRADA

A pedra caiu no lago negro e profundo.

As concêntricas ondas se alargaram... Alargaram... Alargaram....

Até que tomaram a solidão nos braços e nelas se afundaram

com um suspiro breve, dizendo adeus ao mundo.

INTANGÍVEL


Caiu o dia, a noite invade o mundo

e no seu silencio intangível

um unico som ecoa, o murmurio de uma voz sobre as águas verdes do rio;


Amo-te, amo-te, amo-te, a...m...o...-...t...e, a.........m.......o.......-......t......e, a................m.................o....................-........................t.......................e, a..........................m..........................o...........................................................

sexta-feira, novembro 02, 2007

SEM...


Na noite sem lua, no espelho das águas profundas e negras,

uma lágrima perdida, qual nacarada pérola,

flutua sem rumo, sem destino ou caminho.


Na noite sem lua, os olhos procuram outros olhos,

as mãos, sedentas e cegas, prendem o ar frio

e os lábios sem cor, lançam um suspiro sem som....

Na noite sem lua, apenas uma lágrima flutua.