sexta-feira, maio 19, 2017

UM ESPINHO CRAVADO




Porque são tão complicados os corações, pai?
Porque são tão duros os sentimentos mais doces?
Fazer o caminho com um espinho cravado que não sai,
é um travo amargo demais. Sem um gesto que esboce
a mais leve sensibilidade,
a mais simples humanidade.

Diz-me, pai, porque é tão dura a vida? Porquê?
Seguir em frente amordaçando o coração no peito,
calando, sufocando um mundo rico que não se vê.
Apenas para que se cumpra uma "ordem", um preceito.
Uma intransigência, 
uma incongruência.

Porque são tão complicados os corações, pai?
Não sei, minha filha, talvez por serem humanos - de carne.... 



sexta-feira, maio 05, 2017

SE O AMOR NOS DEFINE....




É o amor que nos define, doendo e sofrido;
o amor dado e o amor recebido.
Não é a fama, não é o dinheiro, nem a posse;
é o amor que nos define, mesmo se for precoce,
mesmo se for serôdio, mesmo que por metade.
É o amor que nos define: um amor sem idade,
sem barreiras – amor por amor -, sem mais nada,
sem porquês e sem senãos. Amor na partida e na chegada.
É o amor que nos define, magoado e distorcido:
o amor dado e o amor recebido.
Porque não percebes que o amor comanda a vida?
Essa vida que um dia te vai cobrar a sua divida.

É o amor que nos define: o amor dado, o amor recebido.



(partindo de uma frase - é o amor que nos define)

AVESSO DE ALMA



Quero ver o avesso de mim. Aquela face com bolor e pó,
aquele “in” que não se vê, mas está cá – sou EU.
Quero virar a pele, a carne e os ossos, virar-me: só.
E abraçar, com braços de alma, o que vejo e vida me deu.
Quero limpar este “sótão” de alma sofrida: deixar o sol entrar,
permitir-me seguir, ir, absorver, acordar, viver o hoje – apenas estar.

Quero ver o avesso da alma. Da minha, desta etérea senhora que me habita,
desta desajeitada sombra que me segue os passos, me segue a vida.
Virar do avesso e sacudir a dor, o vazio, o abandono, este estar proscrita
de sentimentos, condenada pelo coração amante: viver assim, banida.
Quero deixar entrar o sol, o vento, a Primavera – em pleno –, em cheio,
redonda, vibrante, quero apenas, e só, vogar em suave devaneio.

Quero ver o avesso de mim, da minha alma empoeirada,
do meu coração engelhado, dos meus passos encolhidos,
pobres e ensombrados. Quero abrir a janela emperrada
e deixar entrar a vida: é hora de liberar todos os “proibidos”
e “sentidos únicos”, “estradas sem saída”; é hora de serenidade,
aceitação, de olhar erguido, alma renovada; de enterrar a saudade.


A vida não espera,

a morte não tarda,

as horas não param: avessar a alma é urgente.




quarta-feira, abril 19, 2017

CHEGADA POR PARTIDA




Chegaste devagar como quem semeia a Primavera,
entornaste as tintas de um arco-íris de recomeço
com sabor a vida passada e cheiro de desconhecido.
Chegaste como quem nem tinha partido, nem se desvanecera
no grito de um silencio rouco, que rasga o peito que ofereço
à dor da mágoa: ao medo da perda e do caminho esquecido.
Chegaste: como se o mundo não houvesse, e a vida se apagasse,
como vela soprada por infantil alegria, ou por senil desapego.

Chegaste: nada mudou, tudo se perpetua como parafuso sem fim.
Mas eu quero-te! Com a alma e com a razão de quem guardasse
o maior tesouro na sombra do olhar, amante, amado. Eterno desassossego.
Chegaste sem chegar, porque não estás. Porque partes e te afastas de mim.
Chegaste devagar como quem semeia o Inverno,
escreveste a letra de um hino fúnebre, nos muros de um coração magoado,
chegaste pintando um prometido inferno.
Parte sem demora: sem olhares para trás, eu vou vestir-me de sonho esfarrapado.



Chegaste - devagar - a semear utopia. Vai - rápido - para esquecer a cobardia.



sábado, março 25, 2017

COMBOIO DA VIDA - SEM DESTINO...APENAS IR.





É tempo de nada esperar - o comboio da vida segue,
linha fora; Pouca terra - muita terra.
É tempo de seguir sem nada querer. Que a chuva regue
os canteiros de sementes, os mares, os prados - a serra,
onde se escondem os momentos passados, vividos,
chorados, desejados, sonhados. Os sentimentos esquecidos.

É tempo de um tempo que já não conhece o tempo.
É tempo de dizer ao tempo; Caminha, passa, corre: voa!
Que eu quero passar igualmente, esquecer cada momento,
apenas porque já foi: passou. Mas das profundezas do tempo ecoa
a voz da memória, da saudade, do que já foi - e não mais é.
Acelera comboio da vida! Não pares em apeadeiros, segue com fé.

É tempo de saber escrever novas letras, acender outras estrelas,
de aceitar novos mares e barcos sem rumo ou passado,
de percorrer os mesmos caminhos com novos olhos, sem querelas;
Ser eu, apenas eu; Mais ninguém. É tempo do amordaçado,
é tempo do deserdado, do perdido e angustiado: do morto,
do vivo, do triste, do esquecido e do lembrado. Neste porto,
onde ancorei o meu degredo, é apenas tempo de deixar; Abrir as mãos e partir.


segunda-feira, março 13, 2017

90 PÉTALAS DE ROSA PARA TI



Olá;

Hoje queria poder dar-te um abraço, tão grande, tão forte, tão bom, tão nosso. Hoje seriam 90 pétalas de rosa, e 90 ténues chamas rubras, e o teu sorriso, aquele que te enfeitava o rosto - meio tímido, meio triste - tão teu. Hoje são só as saudades que habitam este espaço que medeia o cá e o aí.

Hoje: daqui, onde estou a olhar o céu e as nuvens que encobrem este caminho que ainda não posso trilhar e tu já não podes percorrer. Hoje a lua brilha mais forte; É a tua luz que está por trás dela. Hoje as estrelas cintilam - alegres, quase dançam - és tu, desse teu lugar, que estás por trás delas.

Espalho nesta noite: daqui até aí, uma constelação de beijos - 90 - e um abraço que te faça sentir os meus braços e o calor que invade o meu coração. E sabes? eu sei que o vais sentir, porque quando o amor é maior que vida - ultrapassa a distancia, ultrapassa o silencio, ultrapassa a ausência dura de não te poder ver, tocar e sentir. Ultrapassa a própria morte.

AMO-TE MUITO, ontem, hoje e SEMPRE.




terça-feira, março 07, 2017

EXORCIZANDO LÁGRIMAS



Exorciza a dor que marca cada lágrima salgada
que pelos olhos se derrama como neblina matinal -
descendo, escorrendo -, saltitando as linhas do meu rosto.
Exorciza a distancia que medeia o soluço e a gargalhada,
porque assim se apaga o medo e o desterro intemporal.
Estende pontes de esperança e mansidão, esfuma o desgosto,
limpa a dor e acende um sol de perdão e de vontade férrea de querer.

Exorciza os anjos das negras noites sem sossego, vazias de solidão.
Exorciza as duras penas de erros que nos servem de lição.
Estende uma ponte de luz, constrói um porto de perdão,
fundeia o navio de um novo amanhecer, não feches a tua mão:
há mais vida por trilhar; Passos incertos, por certo, mas passos
rumo ao infinito que trazemos no coração. Deixa os compassos
da música: que não conhecemos, que não tocamos, mas que sabemos
de cor serem a valsa que trazemos nos pés; Os caminhos que percorremos.

Limpa a dor: acende um sol de perdão e de vontade férrea de renascer.

foto retirada da net


domingo, fevereiro 26, 2017

UM MAR MAIOR QUE VIDA


Quando há um mar que é maior que a vida, e a vida é um grão de areia: perdido na bruma de um querer não querendo. Quando um navio abandona um cais de partida, sem rumo, sem leme, sem sonhos – apenas morrendo. Apenas partindo na despedida.

Quando os olhos se perdem no horizonte sem fim: acreditando que não há impossíveis, lutando contra a névoa salgada da dura verdade. Quando as mãos se abrem vazias de mim: querendo um rumo, que nunca o foi, e só  impera a saudade – áspero espadachim.

Quando, na tormenta dos dias, as noites são clarões de memórias, e o coração arde, doendo, magoando, batendo em desordem. E o corpo cede em preces laudatórias. E a vida segue – correndo, girando – e os dias passam, e os anos mordem. As lutas por paz ainda são inglórias.

Quando um mar é maior que a vida, e as ondas – noutro mar – recordam uma partida. Os olhos perdem-se em adensado azul, bravio, doloroso; A um tempo amado e saudoso. E quando um mar é maior que o mundo inteiro, morto na despedida. De nada valem nem o mar, nem as ondas, nem a vida – que sigo de fugida.

Quando um mar tiver o dom da vida: quando o céu tiver o dom do oblívio, quando o sonho tiver o poder do querer…Então o meu vestido será de névoa sentida. A minha grinalda de dourado alívio, o meu sorriso de um novo amanhecer.
 

Há um mar, de profundo azul, onde habita o sonho,
onde se esconde o medo, e troa o vazio.
Há um mar que leva as memórias, que na areia deponho,
são pedaços de vida que um dia ruiu.
Há um mar, de vestido verde, que me embala a alma,
que me acolhe a dor, que aceita as lágrimas, salgadas de amor.
Há um mar, de cinzentas vestes, que me embala na calma
de cada onda mansa: de cada requebro da sua própria dor.
Há um mar, eterno e profundo mar, onde se esconde o querer,
onde permanece o sonho, onde a esperança habita.
Haverá, sempre, um mar para me lembrar que viver
é também sorrir, é também sonhar; Alma que ressuscita.

sexta-feira, fevereiro 24, 2017

NAS MÃOS NÃO TRAGO ROMÃS


imagem retirada da net












Nas mãos não trago romãs, nem fruta de paixão,
nos olhos não trago o ódio, nem a raiva ou a exaltação.
Nos lábios não trago palavras duras e finas como punhais.
Apenas trago no corpo cicatrizes intemporais.

Nos cabelos entrancei a dor com flores de perdão,
calcei sapatos de penas, debruados de solidão.
Teci um véu de esperanças, bordei-lhe estrelas e sonhos,
sonhei madrugadas suaves: embarquei em navios tristonhos.

Se hoje o dia não nascesse e o vento esmorecesse
cansado de tanto soprar....
Se a minha alma esquecesse e na boca morresse
esta forma de amar....

Restariam apenas as mágoas de um passado que passou,
de um fruto que foi singelo e que o tempo estiolou.
Restariam somente farrapos, apenas e só, as memórias
de um amor que morreu: somente um punhado de escórias.


Nas mãos não trago romãs, nem fruta de paixão,
nos olhos não trago o ódio, nem a raiva ou a exaltação.
Nos lábios não trago palavras duras e finas como punhais,
apenas trago no corpo cicatrizes intemporais.





quarta-feira, fevereiro 22, 2017

EM NÓS DE BRANDAIS... A VIDA.

Resultado de imagem para imagens nau catrineta
imagem retirada da net

Uma estrada, um mar, uma nau catrineta de brincar:
nos olhos as brumas de um sedento sonhar, 
e nas mãos o leme - firme - de um rumo por mapear.
Uma estrela - cadente - de perdido mar, vem confiante e doce
no meu peito habitar. Deixa que o coração bata e esboce
um novo alento, um novo alvorecer na iniciada aceitação.

Deixo o cais de ensombrados desalentos e dolorosos punhais,
abro as velas aos ventos, enfrento ondas e marés sem arrais.
Da mágoa fiz uma âncora, amarrei a tristeza com duros nós de brandais.
Olho as estrelas, de enfarruscado céu, e a lua - lá do alto -, brilha,
como um luzeiro de fogo frio e distante: é a minha cartilha
nesta viagem sem início nem fim - viagem de paz e perdão.

Levo nos olhos um astrolábio de mundos a florir,
nas mãos um mapa de um tesouro ainda por descobrir,
e no corpo tatuei a palavra - amor -, apenas para me punir.
E a minha nau catrineta navega afoita em verdes mares,
enquanto ofereço uma muda prece em todos os altares,
em cada ermida de sonhos, esfumados e perdidos na imensidão.

Uma estrada, um mar, uma prece, uma nau catrineta de brincar....Apenas a vida a passar.

sexta-feira, janeiro 27, 2017

ENTRE JASMINS E POESIA

Resultado de imagem para imagens jasmins e poesia




Deixei cair o véu da penumbra de uma manhã de outono,
despi-me da bruma da mágoa e soltei os cabelos de poesia.
Inalei os orvalhos e os mostos, névoas de maresia.
Misturei jasmins e rosas, canela e açafrão,
violetas inquietas: de musgos atapetei o meu chão.

Deixei pérolas salgadas suspensas em despida faia,
percorri, de pés descalços, todos os cais desta vida,
busquei respostas e sonhos: sentei-me só e dividida,
estendi braços indolores sobre terra e sobre mar,
apaguei todos os traços de uma tela por acabar.

Rasguei todos os meus pedaços: lanceio-os ao vento norte,
embarquei em nau sem rumo, naveguei em sal sem mar;
Trouxe do mar uma concha de nacarado palpitar
e enfeitei com ela os cabelos - negros de esperar -,
entrancei de novo a vida, em silencio; Devagar.

Deixei cair o véu do desencanto e o vestido do penar,
calcei sapatos de sonho, enfeitei de novo o brando olhar.
Peguei nas sobras e nas dobras enterrei-as no verbo amar.
E de novo fui com o vento, com a chuva: delicado madrigal
de esp’ranças semeadas em fecundo sonho virginal.

Assim renascem os olhos, assim florescem as mãos,
assim se bordam os sonhos em lenços de branco acenar,
e assim se constroem os ninhos dos corações a recomeçar.
Embarco em nau de desconhecido timoneiro,
entrego-lhe a vida que sobra, adenso-me no nevoeiro

e sigo sem olhar para trás. A vida por lá ficou perdida.
Oscilando em cada maré enfrento um novo ondular,
Adamastor se levanta com voz de fúria, a troar;
Os medos, as mágoas e o frio, ficaram no vazio cais;
Grita Adamastor, bem forte! Eu dobro o Cabo sem arrais!

Nada me verga, nada me quebra; Só o vento me levará
onde houver campos e flores: novos cheiros novos chãos.
Onde criarei novas raízes, onde terei de novo plenas mãos
de eterna poesia e sonho. E olhos de criança encantada
e risos de menina em flor; E a serenidade de cada madrugada.


quinta-feira, janeiro 19, 2017

O FRIO DE UM INVERNO QUE PASSA




Invade-me uma ânsia desconhecida
que corrói até ao fundo da alma,
um querer não querendo, uma ferida,
que sangra  numa mágoa calma.
O chão perde-se em espinhos agudos
e o ar, rarefeito de desencanto, suspira
por paz e harmonia: meus escudos
contra a dor que a mim se atira.
Invade-me este sentir sem sentir,
um destino sem estrada, sem chão,
este limbo de ir e não partir;
Ficar. Oca, e vegetar em vão.
Invade-me o suceder dos dias,
 o perpassar das noites escuras.
Todas as imensas memórias frias
que foram vulcões de mil juras
e nada mais são que negra escória.
Voaram as borboletas de uma luz desconhecida,
partiram as gaivotas em memória
de um tempo passado; Vida vivida.
Invade-me um pomar de orvalhos,
que chove em brandos raios de luar,
vou jogando e misturando os baralhos
das cartas que ainda tenho para jogar.
Invade-me uma desinvasão de Ser,
um Eu que já não sou, nem tenho:
passa a vida por mim a acontecer,
e eu parto…  Não me detenho.
Invade-me este vazio de invernia,
 a alma recolhe-se em sintonia.



quinta-feira, janeiro 12, 2017

AO SABOR DO VENTO - LAVAS DE DESTINO




A vida corre ao sabor das horas, ao sabor do vento
e das marés que os anjos, e os demónios, tecem sem parar.
Entre o aqui e o lá vai uma ponte de desejos por cumprir,
um mar de rosas por florir,  uma águia astuta em voo lento.
E a vida corre, salta, pula, brinca e foge para nos desafiar.
Por entre vendavais e bonanças a vida esvai-se - em pleno peito,
em amenos risos, em amargas lágrimas, em sonhado leito.

A vida corre pelas colinas dos sonhos, que se abrumam nos olhos,
de quem se atreve a desenhar caminhos por percorrer e trilhar.
Entre o cá e o aí estende-se um trilho de pedras: negras - escolhos -,
que a vida se encarrega de construir, de engrandecer, de enredar.
E a vida faz-se;  E a vida semeia-se em corações calados,
em olhos saudosos, em amores mordentes e acicatados.

A vida arroteia-se, lavra-se, semeia-se. A vida enfrenta-se: dura.
E entre o cá e o lá constrói-se um castelo de areia, um desejo,
um sonho ou quimera - saudade - agreste, que o tempo apura.
Correm as nuvens por céus e mares, por brumas que sinto: e vejo,
que me abraçam gélidas; Dormências, despidas, num Aqueronte
sem principio nem fim. Até que um novo sonho acorde, desponte.

A vida corre; Ao sabor das horas - pelas colinas de sonho -,
ao sabor do vento, a desenhar caminhos onde me escrevo e deponho.



sábado, janeiro 07, 2017

SEM ETERNIDADE NEM TEMPO

Eternidade é um segundo de sol doirado,
é uma lágrima mais sentida num sonho acabado.
Eternidade é a maré sem oceano nem ondas,
onde mergulho as mãos sem sentir frio ou calor.
Eternidade é um não cá - nem lá - para além do desamor.

Eternidade toca-se com a ponta dos dedos e perde-se
com um piscar de olhos: ainda que atentos; Perde-se.
Eternidade é uma sombra que se esconde em cada suspiro,
e se apaga, a cada anoitecer, nas dobras do manto aveludado
de um oblívio quase etéreo. Como anjo a ouro encastoado.

Eternidade é um momento - suspenso - num tempo sem tempo.


domingo, janeiro 01, 2017

CARTA A UM ALGUÉM III


Terras de Prata



Minha sombra de alguém, o tempo passa, o tempo corre - e morre - e ressuscita num novo dia; Este dia. Dedilhei as horas e penteei os verdes prados, embalei mares de cobalto nos meus braços de satélite da vida. Gravitei pelo dia: que não para. Saltei barreiras de interrogações e certezas só para estar contigo - sombra de alguém. A noite cai, mais uma noite de mantos de veludo, a arrastar uma cauda de estrelas: cadentes, incandescentes. Só mais uma noite.
E tu continuas o teu caminho de sombra, não sei se paralelo ao meu. Não sei se cruzando o meu. No fundo nada sei de ti, minha sombra de alguém, sei apenas o que sinto se te penso; Sei apenas o que sonho, se te sonho - o que me invade - se te procuro. E hoje procuro-te, sabes? Procuro-te no ténue cair do dia, quando se desdobram as sombras e as penumbras, quando os pintores posam os pincéis e embrulham as tintas. Procuro-te na brisa que escorre da serra e se amadurece no mar. Procuro-te nas palavras - na melodia de cada uma delas -, nas imagens, nas luzes que acordam nas ruas, nos lares, no céu. Sim, procuro-te neste final de dia - já é noite - e não te sinto. Não te vejo: não te toco, nem a tua afável sombra me segue, nem se prende nos meus passos. Desapareceste - sombra de alguém.
A noite agigantou-se no tempo, as doze badaladas estão prestes a soar. Há no ar um vazio de vida, um vazio de palavras, de cores, de mundo. Onde estás sombra de alguém? Foste para o teu secreto espaço, onde só as sombras habitam? Foste ver o ano passar lá para o alto, bem perto do céu? Onde podes ver o mundo a teus pés - sem te sujares nas humanas figuras. Fico a sentir as horas passarem...

7...6...5....4...3...2...1....... Saltamos o ano.

Sombra de alguém - onde quer que estejas - que tenhas um novo ano de paz; Mesmo que a tua companhia não se faça sentir em mim, no meu prateado e espinhoso caminho. Mesmo que o teu sombreado toque não me toque mais, nem o teu perfume de escuro me inunde mais. Ainda que não seja mais capaz de pintar telas de sonhos com as cores com que me preenches a vida, desejo-te um ANO bem NOVO. Porque os Natais e Anos Novos da vida são aquilo que nós quisermos que sejam.

Feliz Ano Novo minha querida sombra de alguém.




CARTA A UM ALGUÉM - II



Terras de Prata



Neste meu chão de espinhos prateados fiz nascer um sacerdotal sentimento - pulcro - para ti: minha etérea sombra de alguém. Sentei-me nos esconsos de um ribeiro de águas sonhadas, mergulhei na magia do micro segundo que media o suspiro entre o dia e a noite. Toquei-te! Toquei-te com o escorregar dos dedos: aflorei o contorno, negro, da tua figura - feita presença - ao meu lado. Tu sorriste: do âmago do teu encarvoado aspecto.; Sabes? o teu sorriso penetrou a minh'alma, borboletou o meu coração. Fizeste o dia nascer - de novo - no fusco dos pirilampos.

Tens magia no teu silencio ululante, tens luz na tua escurecida silhueta, tens ritmo sinusal a elevar-se na natureza que se despe para dormir.Tens o poder de me prender ao suspiro das borboletas, estonteadas, de luz. Tens nas mãos - que não conheço - o calor que pões nas minhas: geladas de esperar, de te esperar. E no entanto, aí estás tu: sombra amada de alguém, a projectar-te sobre mim, a capear-me o corpo, como se me quisesses possuir; A inundar-me a alma, como se a quisesses sugar. Aí estás tu; Imensa, imersa, eterna e suavemente presente. Estendo a mão, devagar, não te quero assustar: não te quero longe, preciso de te ter ao lado, ao alcance da mão. E, sabes? Hoje tu ficaste; Sossegadamente ao meu lado, invadindo-me com a tua sombra: sabes bem. Tens tons de luar e algas, misturado com alfazema e mel. Sabes a liquido e a terreno - sabes a vida.

Escrevo-te, minha sombra de alguém, relembrando os hidrofóbicos instantes em que te derreteste no meu corpo, em que decompuseste o orvalho de uma incógnita lagoa, bordada de estrelas e embalada de luar. Escrevo-te: porque não te posso falar....


Resultado de imagem para borboletas de luz

CARTA A UM ALGUÉM - I



Terras de Prata



   No meu chão há espinhos de prata e frutos de um dourado rubro, em campos a perder de vista, a perder o pé. O campo estende-se - como lençol em cama nubente - em tons de água chovida de um céu cor de anjos. As fragrâncias doces e finas - jóias de artesão -  rodopiam em terno e cadenciado turbilhão. No meu chão há pétalas de rubis e diamantes: negros, como noites sem luar. Há risos que sobrevoam, rasantes, os pezinhos das fadas transparentes. No meu chão há a sombra de um alguém.

   A vida arqueja coxeante, dia-a-dia: noite-a-noite, como raposa delapidada, como gaivota arroteada em terras de nunca mais. Tudo cresce, tudo floresce e enrubesce - tudo muda - menos tu: minha sombra de alguém; Tu caminhas comigo - silenciosa -, arroxeada e encastoada de espanto. Onde eu pisar, pisarás tu também. Sento-me à sombra das faias - desdentadas de invernia - e escrevo-te.
Dedilho palavras sobre o papel como se esgravatasse as teclas de um piano. Oh minha sombra de alguém: saberás tu, porventura, o que vulcaneja no meu peito sempre que o teu rumor contrastante se projecta no meu caminho? Saberás tu, quem me dera, as golfadas de amor  que reprimo - amordaço -, ao procurar-te neste meu chão de argênteos espinhos? Não - não sabes-, não podes.
Busco-te nas esquadrias matinais pintadas de carmim e ouro. Prendo o teu reflexo nos baixios da queda do sol a cada noite. Aso a minha alma sempre que a tua mão roça - breve - como penugem de pomba peregrina, os  meus olhos vazios, o meu rosto deserdado. Suspiro pelo toque da tua mão - de sombra de alguém -, na minha, de maré vazante. E escrevo, escrevo pelas horas e pelos vazios, a preencher os ocasos onde te perco: sombra minha. E escrevo, escrevo - poemas e prosas - inventando mares para descobrir, leitos de mel e rosas para te desfrutar - para me rendilhar -, para nos fundir. Escrevo cada palavra que se cola aos lábios, murchos de tanto guardar, cada tela que idealizo, projectada nos meus céus de véus velados.

   Aos meus pés permanece o caminho de espinhos prateados, e nas árvores ainda pendem os cobiçados, frutos de rubro dourado - agrestes de solidão - desidratados de amor, ácidos de (des)carinho. encolhidos de solidão. Hoje - sombra de alguém- não te procurei. Tu estás: sempre, escondido num tronco, olhando para mim - de longe - espiando, guardando, velando; Paternal sombra. Sinto a tua presença, mansa como maré vazante, suave como berço de ternura - em braços maternais. O teu perfume engole o espaço entre o tu e o eu - vem como brisa -, como orvalho salgado de um mar profundo inebriado, e veste-me o corpo, enfeita-me a alma, acelera o coração. 
Diz-me, sombra de alguém - é assim que fazes amor? É assim que amas, que profanas, que devoras e te deleitas? 

   No meu chão continuam espinhos de prata e frutos de um dourado rubro em campos a perder o pé.....



Folha, Outono, Sunrise, Hora De Ouro