quarta-feira, julho 15, 2009

AVÓ (cont)


...Ela mostra-lhe a filosofia dos povos, a “alma” que se solta das vivências, ele mostra-lhe a geografia, a história, a humanidade, a realidade que conhece tão bem, e ambos fazem daquelas paragens o seu lar. Integram-se cada vez mais na mentalidade, sem contudo esquecerem as suas origens, sem contudo esquecerem o seu propósito e a missão que o governo do seu país lhes deu, mas o conhecimento aprofundado daquela terra ajudam-nos a cumprir muito melhor o seu trabalho e fazer benfeitorias inigualáveis. Inês inebria-se com as cores quentes de África, perde-se destemida nos mercados, que aprendeu a conhecer, deleita-se na mistura exótica dos aromas fortes das especiarias; Açafrão, Noz-moscada, Gengibre, Pimentas, ervas aromáticas que maneja como qualquer dona de casa africana, ao mesmo tempo que eleva a alma ao ritmo da filosofa asiática. Os artefactos de ambas as culturas co-habitam harmoniosamente no seu apartamento, e só lamenta não ter uma das mansões enormes dos sultões, ou dos emires, para poder dispor de espaço para tudo o que a cativa e quer ter ao seu lado. A biblioteca de Filipe é outro manancial e nos primeiros tempos sempre que lhe era permitido pelo trabalho, esquecia-se das horas naquele espaço calmo e sóbrio, onde colheu ensinamentos preciosos, bases para a sua vida por aquelas paragens. Aprendeu a flora e a fauna, aprendeu culinária, iniciou-se na língua e passou à escola para falar um árabe e um hindi fluentes, já que línguas eram o seu ponto forte, aprendeu história e geografia, embrenhou-se nas religiões e estudou os costumes, as filosofias que a fascinavam e lhe davam perspectivas que jamais conhecera ou se atrevera a desenvolver. Era Filipe quem muitas vezes a ia lembrar que no dia seguinte tinham que se levantar cedíssimo para o trabalho que os esperava, e era sempre com uma expressão de amuo ligeiro que arrumava os livros de novo nas prateleiras. Ao que ele rindo lhe dizia que os livros deviam de noite fazer um baile porque em anos nunca ninguém os consumira tanto como agora. O rosto alegre e atento da rapariga era cada vez mais insinuante na vida de Filipe, a presença e o trabalho de Joana desenvolviam-se a um ritmo certo que deixava o embaixador descansado e confiante nas capacidades por ela demonstradas. Viam-se resultados concretos das suas acções e empreendimentos graças ao trabalho e empenho de ambos, e ela mostrava uma faceta peculiar e inata que lhe emprestavam a graça que o tinha encantado no aniversário da afilhada. Muitas vezes ia espreita-la sem ruído só para lhe captar a expressão compenetrada e atenta, ou ouvir a gargalhada típica se era apanhado em flagrante.
Passaram-se os anos, e do pequeno apartamento restavam os artefactos habilmente recolocados no casarão que entretanto haviam comprado, as horas de biblioteca eram agora a dois, e os escritórios eram apenas um, tal como o empenho, amor, e apego aquelas paragens que haviam unido dois corações num só. África e Ásia, Joana e Filipe."
O olhar perdido num horizonte distante, nas terras vermelhas que tanto amou, no exotismo em que foi feliz, mulher e mãe. A mão que prende na sua traz-lhe as recordações dessa outra mão que há muito tempo trás envolvia a sua e lhe dava a certeza de que tinha escolhido o caminho certo. Avó Joana deixa que uma lágrima cristalina, qual gota de orvalho, se prenda delicadamente nas pestanas ainda compridas e fartas que, docemente, descaem sobre os olhos.


FIM

7 comentários:

rita disse...

Assim sim, o final perfeito!! ;)

Whispers disse...

Querida Amiga!

O final que eu esperava,mas,contos são assim,na vida real final feliz já não existe.
Esta passagem me fez cair uma lágrima do canto do olhos.

Me fez lembrar de algo que eu tento por vezes esquecer,são coisas da vida, e se deve aceitar cada passagem que a vida nos da.

Amei tua Historia e fico esperando que escrevas mais e mais sempre me encantou te ler
Um beijo bem grande em teu coração
desta amiga
Desejos de um feliz Domingo
Rachel

jo ra tone disse...

Interrogo-me como consegues escrever estas longas histórias de contar e encantar.
Dava para fazer uns livros de muitas páginas com o vasto conteúdo que tens.
Parabéns
Beijinho

Whispers disse...

Minha querida!
venho te desejar um feliz fim de semana.
Desejo-te que a vida te esteja a sorrir as mil maravilhas
Um beijinho bem grande e um abraco bem apertado
Desta amiga distante
Rachel

Gui disse...

Continuas com as tuas histórias maravilhosas. Que saudades eu tinha delas. Tenho andado muito ausente, por motivos vários. Ver se agora consigo ser mais assíduo. Um beijo minha amiga.

Whispers disse...

Minha Querida Amiga!
Venho lhe desejar uma semana de paz,saude,amor e muita luz
beijinhos mil com carinho
Rachel
P.S.saudades de te ler:(

Whispers disse...

Minha Amiga querida!
Como estas?
Faz falta ler teus maravilhoso posts.
Desejo que tenhas uma semana com muito amor,muita paz,muita alegria,muita saúde, e muita luz
beijinhos mil
Rachel