domingo, novembro 21, 2010

ALVA VELA

Tenho tudo arrumado no gavetão

do "não quero pensar".

Tenho tudo organizado no eterno chavão;

"O que for se verá".

Hoje acho que consigo tudo e, se tentar,

até consigo antever o que se dirá.

Hoje sou dona do que sinto, porque não sinto.

Apenas calo, apenas guardo, apenas pinto

de cores neutras a minha imensa tela.

Tenho tudo empacotado lá no meu sotão

empoeirado de esquecimento e solidão.

Tenho tudo adormecido, de onde não brotam

imagens, nem sons, memórias ou mágoas,

se eu não pensar e não querer. Se fechar a mão

e nela esconder todas as tarefas árduas

que já vivi e vivo, largando-as na minha alva vela

como uma neutra pintura de uma batalha perdida.


3 comentários:

rita disse...

Podes guardar no sotão, mas no final deves olhar para trás e ver muitas grandes batalhas vencidas em vez de uma batalha perdida. Não tens o que queres, mas se continuas a lutar de alguma forma e a querer, é porque o que ganhaste até hoje foi a força necessária para não parares. Mesmo quando parece que não tens nada e o melhor mesmo é não pensar...Sabes que quando "aparece" tudo volta e consegues viver com a intensidade da lutadora e vencedora que és, como alguém que dá valor ao simples e pequenino e que faz de momentos banais os mais importantes da vida. Espero que em breve possas ter mais desses momentos que te enchem e te fazem sentir tão bem, mesmo que efémeros são SÓ TEUS!

São disse...

De certeza que tudo está no gavetão? Não me parece, não.

Saudações.

Guilherme disse...

Ainda bem que temos um sotão onde podemos guardar todas as recordações e depois, um dia, quando nos apetecer ou sentirmos necessidade ir lá remexer e encontrar, talvez, algumas de que não nos recordávamos já. Um beijinho querida amiga.