quarta-feira, outubro 01, 2014

AMANHEÇO SOLIDÃO





Amanheço solidão e caminho sem rumo,
perco os passos numa vida sem sentido,
olho sem ver, canto sem voz...Sou fumo.
Sou ave negra de negro destino perdido.
Trilho um deserto sem cor, e um poente lilás,
deixo as minhas pegadas soluçadas para trás,
e teimo em seguir em frente sem saber porquê.
Amanheço solidão e dela me visto,
silenciosamente sem que nada me dê
vamos lado a lado e eu, calada, não insisto
em saber porque se cola à pele a solidão,
porque se abate sobre mim como um furacão.
Amanheço solidão e adormeço sem futuro,
caminho pela beira do abismo fundo
e deixo abertas as portas do meu imaturo
sonhar, das memórias desfeitas deste mundo.
Amanheço solidão e com ela caminho....Sem fim

6 comentários:

Zélia Chamusca disse...

"Amanheço solidão" é um poema que toca e prende, profundamente,do princípio ao fim, pela sensibilidade e arte poética que transmite.
Parabéns Grande Poeta, Lágrimas de Lua!
Beijinho,
ZCH

Flor de Jasmim disse...

Bela e sentida a sensibilidade que a solidão transmite!
Adorei minha querida e doce amiga.

Beijinho e uma flor

Helena Medeiros Helena disse...

Ser solidão e com ela caminhar sem rumo ou de rumo definido... Só mesmo quem tem a sensibilidade no sentir consegue captar com tanta profundidade e beleza esse instante mágico em que a consciência se projeta no existir.
Belíssimo esse teu poema, amiga! A solidão é uma companheira que pode ou não ser agradável, depende do nosso estado de espírito. Mas ela também sabe ser generosa com os poetas, pois se aninham na sua alma e dali faz nascer belos versos... como estes teus!
Que tua semana seja de sorrisos e estrelas, amiga querida!
Com carinho,
Helena
(http://helena.blogs.sapo.pt)

Nilson Barcelli disse...

A solidão cola-se mesmo à pele...
Magnífico poema, gostei imenso.
Boa semana, querida amiga.
Beijo.

A.S. disse...

Solidão, é um deserto
que se esconde
invariavelmente
dentro de nós,onde habitam
os sonhos perdidos
agarrados às raízes dos cardos.
Resta-nos inventar umas mãos
para procurarem outras mãos
em incomensuráveis areias...

Beijos de luar...
AL

A.S. disse...

A solidão é negra,
mas pode tornar-se
claridade,
iridescência,
lume que nos aquece
para poder abraçar a nudez
a partir das trevas...


Beijos!
AL