sexta-feira, maio 08, 2015

(DE) PRESSÃO, OU DESILUSÃO?


Abate-se, como uma tempestade, o vazio.
Este vazio que deixa o coração sem alma
e a alma sem coração.
Mesmo quando o sol brilha tenho frio,
olhando sem rumo a estrada calma
que piso sem nenhuma razão.

Abate-se, como milhafre atento, a escuridão.
Uma escuridão que estrangula a voz
e me deixa sem vontade.
Um vento do deserto assola-me em turbilhão,
povoa-me a vida de uma agonia atroz.
e me invade sem fazer alarde.


Toma conta de mim, alimenta-me de fel,
cobre-me de negro, transforma-me em pó.
Abate-se sobre mim com gestos de mel,
mas crava-me as garras frias sem dó.

Tudo gira a minha volta sem sentido,
O sol é uma bola amarela, mais nada,
O vento é um sopro duro e desabrido.
O corpo verga numa dor que se cala.

E o buraco negro do vazio sem fim,
vai, sem dó, tomando conta de mim…..

3 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Tão triste e tão ao encontro do meu sentir!
Minha querida tem um bom fim de semana.

Beijinho no teu coração

Zélia Chamusca disse...

Maravilhoso poema que me sufoca a alma que sem palavras se extasia maravilhada pela sensibilidade e arte desta Grande Poetisa.
Aplausos!
ZCH

Helena Medeiros Helena disse...

Minha querida amiga, li com atenção os 3 últimos poemas e neles senti como se uma dor de há muito sentida ficasse a espreitar os momentos para se manifestar... Poemas que, mesmo tendo a beleza expressa nos versos, deixam transparecer uma certa nostalgia, uma certa tristeza e amargura. Minha alma também se encolheu um pouco ante a leitura, mas quando o olhar pousou em "PELOS CAMINHOS DA VIDA", deu para sentir um pouco de esperança a permear as imagens nascidas em tão delicados e sentidos versos. Um poema ao mesmo tempo triste e doce de se escutar... Ah, minha amiga, que pelos caminhos da vida tu possas encontrar motivos para fazer belos poemas permeados de uma felicidade única que possam enfeitar o teu olhar e perfumar a tua alma.
Fica meu carinho num beijo no teu coração,
Helena

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...