quarta-feira, janeiro 17, 2018

OLHO-ME POR DENTRO DE QUEM SOU

Olho-me por dentro da alma, 
percorro os espaços do meu coração,
encontro mansardas sem vivalma,
abertas ao sol, à chuva, à contradição.
É no meu silêncio completo que me encontro,
me descubro, que sou quem SOU
sem máscaras, sem roupagens de desencontro,
sem meias tintas, meias palavras, apenas ESTOU
tal como sou; mulher.
Com a dor, com a alegria, com a dúvida e a certeza,
com o medo e a coragem, com o sonho a amanhecer.
Olho-me por dentro da incerteza,
essência de todo o meu ser,
e arrumo, aos poucos, a vida, que passa sem se ater.

Olho-me por dentro e em mim desvendo
mistérios, brumas, ecos do que passou.
Não sei se me vejo inteira, nem se aprendo
com tudo o que a vida já levou.
Mas sei que é no meu  silêncio completo,
que de mim faço quem SOU.
Na viagem onde me descubro e prometo
não trair a essência que me criou,
dou por mim, em frente a mim mesma,
nua de tudo o que enevôa a crueza
da verdade que me corre nas veias, e ensimesma
a frágil alma que procura a leveza,
a paz de uma vida escrita de A a Z.
Olho-me sem filtro, sem quê nem porquê.

Olho-me por dentro da alma que sou
olho-me por dentro da vida que passou.

imagem retirada da net


Lágrimas de lua












3 comentários:

luna luna disse...

muitas vezes temos dificuldade de nos despir perante nós mesmos,é bom quando nos olhamos nos olhos e nos sentimos íntegros e fieis ao que somos,é a isso que eu chamo liberdade, não de fora para dentro o que é uma falácia, mas de dentro para fora.
beijinhos

Jaime Portela disse...

Esse olhar não é nada fácil, já que tendemos a não ser imparciais...
Em qualquer caso, o teu poema é muito bom, diria excelente. Parabéns.
Continuação de boa semana, querida amiga.
Beijo.

Érika Oliveira disse...

Estou encantada pelos seus poemas. Olhar para dentro é que nos faz nos expressarmos de forma autêntica. Precisamos nos virar do avesso para conhecermos quem somos e o que queremos.

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...