sábado, janeiro 20, 2018

MINHA AVE DO PARAÍSO

A ave perde as belas penas; uma a uma devagar,
caem como lágrimas de um olhar que já não é.
Perdeu o voar, perdeu o doce cantar.
Apenas respira, débil, entre soluços de infinito,
num limbo flutuante sem cor, nem odor, nem forma.
A ave perde, uma a uma, as doces penas,
gastou as forças no caminho, gastou as cores na viagem.

Viu montes e vales, viu rios e mares, viu sóis e luas,
montanhas e abismos. Subiu ao cume, desceu às margens
de um rio que navegou com garra. Gastou os risos,
gastou as lágrimas, gastou os olhares e as mãos abertas.
Agora é apenas a ave; de regresso ao início, às origens,
à sua casa de partida, e de chegada. É ave de despedida,
perdendo as penas a uma e uma, como lágrimas de olhar sem ver.

É somente uma ave em cansado adeus.
(Mãe)







Lágrimas de lua

6 comentários:

Érika Oliveira disse...

Que poema lindo e sensível... Parabéns!

saudade disse...

Que dizer de tão belas palavras...
Beijo de....
Saudade

Flor de Jasmim disse...

Palavras tão bonitas com que transmites a dor da realidade!

Beijinho minha querida amiga.

LuísM Castanheira disse...


o amor é mais forte
que a dor
o ódio e o rancor.
nem a morte
mata o amor.

e que dizer do Amor de Mãe?
- Nada!
a não ser o que o poema diz...

muito belo este 'pássaro'
que ao seu ninho voltou
mas que pelo mundo
o seu amor espalhou.

um beijo, minha Amiga
e um resto de semana feliz.

lua prateada disse...

Maravilhosa a sorte da tua ave...adorei
Abracito meu

Cidália

Flor de Jasmim disse...

A tua Ave onde quer que esteja, está em paz, olhando a cada minuto pela sua cria.

Abraço-te, sente minha querida.

CAIS DE ANTEPASSADAS PEDRAS

Imagem retirada da ne t Um rasto de luz, uma porta entreaberta, um sopro de verde, uma lágrima de vento,...