quarta-feira, agosto 13, 2008

PALAVRAS DE VENTO





E das escaldantes areias o silencio crestado se eleva, sussurrando palavras de miragem e sonhos, de desejos calados e lágrimas escondidas.






Que pés de fada ou querubim deixariam trilho de igual beleza?
Nenhum, porque escaldariam a delicada pele neste solo inóspito, só um sobrevivente consegue caminhar e deixar a sua marca, como estas.




Deixa-me ser sal. Branco, puro...Apenas sal; O teu.

Sem comentários: