sexta-feira, outubro 26, 2012

VELUDO NOCTURNO


Há na noite o veludo do segredo e o desespero da imensidão.
Há na voz do mar o eco do tempo que passou e do que se perdeu,
há nas mãos abertas o vazio por preencher e a dolorosa vastidão
por terminar, por entender, há a ânsia do dia que não nasceu.
Há na lua prateada a frieza do brilho refulgente e distante,
há nas horas mortas a vida que pulsa intensa e incessantemente.
Há em cada olhar a profundidade de um sonho latente,
um secreto desejo docemente guardado no fundo do ser,
há o beijo adiado, a amor incumprido, a ferida permanente,
a dor silenciosamente navegada, abraçada mesmo sem se querer.
Há na noite o vestígio de mais um dia, passado, vivido, cumprido
como um dever, como uma obrigação sem razão, só percorrido.
Sem qualquer justificação... Há na noite....Tanto por caminhar...

4 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Há na noite tanto mistério à espera de serem descobertos!
Lindo querida, amei
Bom fim de semana

Beijinho e uma flor

Nilson Barcelli disse...

Gostei do teu blogue e da tua poesia.
Voltarei, por isso.
Beijinhos.

saudade disse...

Há na noite tanto por desvendar....
Beijo de
Saudade

A.S. disse...

Sim... há na noite tanto por caminhar... e tantos caminhos à espera de serem percorridos!...


Beijos,
AL