sábado, julho 05, 2014

CARREGO UM CÉU DE INFERNO


Carrego o céu sobre os ombros e as ondas nos meus braços.
Recolho da vida os pequenos pedaços,
e a ela devolvo o que tenho e como tenho.
Por ela passo, passo-a-passo, e não me atenho.
Apenas deslizo como imponderável nuvem em céu de inverno.

É nesta vida, é nesta hora, é neste instante e neste inferno,
que finco os pés no meu inóspito rochedo,
que me penetra o frio agreste do medo,
que me assola a vastidão do desolado deserto
no aperto da ausência sem razão que ao peito aperto.

Passam os céus, os mares, passam as horas e os dias,
renascem luas, acordam sois, repicam sinos as ave-marias.
Crescem poemas, nascem canções, gritam-se hinos de emoções.
Juram-se amores, rasgam-se almas, vertem-se lágrimas nos corações,
correm os rios para um estranho mar.

Já não se sabe o verbo amar.


2 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Profundo!
Um sentir tão triste.

Beijinho e uma flor

Nilson Barcelli disse...

O verbo amar é dos mais difíceis de conjugar...
O teu poema é excelente, querida amiga. Por variadíssimos motivos. Destaco apenas o cuidado das palavras (nenhuma aparece por acaso), numa escrita inteligente e de grande qualidade literária.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...