quinta-feira, julho 24, 2014

UMA PONTE











Estendo uma ponte entre o aqui e o aí,
sobre a ausência e a presença invisível,
estendo uma ponte sobre um abismo profundo,
sobre a distancia entre um sim e um não rotundo.
Construo cada pedaço com a realidade infalível,
esta que sei de cor, que já vivi e revivi.

Estendo uma ponte entre a noite e o dia,
entre o verão e o inverno, entre o calor e o frio.
Entre o querer e o esquecer, o viver e o lembrar.
Estendo uma ponte sem fim que permanece vazia,
no silencio da madrugada, fluindo como este rio
onde afogo cada lágrima, cada dor a dilacerar.

Estendo uma ponte despida entre o tu e o eu,
entre o daí e daqui, entre o fogo e a neve.
Estendo esta ponte que teço com cada pedaço meu,
com este estúpida ilusão que me sussurra ao de leve.

Estendo uma ponte....Uma ponte sem sentido!

3 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Minha querida essa ponte construída por ti tem todo o sentido, ela faz a diferença...triste e belo poema que transmite um sentimento de revolta.

Beijinho e uma flor

Helena Medeiros Helena disse...

As pontes fazem parte da existência, pois ao criarmos laços estamos também construindo as relações que irão permear os entendimentos a que nos propomos.
Li outros poemas teus e pude sentir a força que tem os teus versos, a tua forma de digerir a vida, de administrar sentimentos e emoções e transformar em poesia tua visão do mundo.
Deixo-te sorrisos e também estrelas, como um agradecimento por ter conhecido mais um vigoroso espaço.
Com carinho,
Helena
(http://helena.blogs.sapo.pt)

A.S. disse...

Uma ponte de palavras, por onde passam desejos, sonhos, saudades, paixões... e um corpo nu, correndo para o fogo...

Beijosss
AL