quinta-feira, setembro 10, 2015

VELHAS FOTOS

São imagens secas encastoadas na mortalha do tempo,
secas e dissecadas pelo bisturi aguçado da memória.
É a imortalidade presa num errático contratempo,
movimento estático captado em cada história.
História de vida ou de morte, história vivida,
história nossa, tua, dele, passada. Ou apenas vida.
São imagens desbotadas pelos estios e as invernias,
gritos calados, risos gelados na intemporalidade.
São momentos aprisionados em doces fantasias,
é suster o tempo na sua voracidade.
Fotografias perenes na moldura de uma vida

Imagens guardadas de uma história compartida.



7 comentários:

A.S. disse...

As velhas fotos têm o poder
de fazer renascer em nós as emoções que nos abandonam,
os sonhos intactos que jamais deixaremos de sonhar...

Beijos!...
AL

O Profeta disse...

Na elegante e fina escrita da tua pena

Às vezes é preciso acordar o silêncio da memória
Ou esperar pelo adormecimento inadiável
Com o gesto sereno e demorado da ternura
Com o acordar do amor rompendo o improvável


Um radioso fim de semana



Doce beijo

Helena Medeiros Helena disse...

Soubeste bem, minha amiga, descrever num belo poema sobre a existência de uma foto, o que a motivou, a emoção vivida no momento, e confesso que até o sentimento primordial de quem foi fotografado. Uma foto diz tudo, prescinde de palavras para aquele que, tempos depois, aquilo que foi retratado, uma emoção revivida, um prazer há muito sentido, mas que volta, ali, naquele momento em que olhar faz associação com sentimentos e emoções.
"São momentos aprisionados em doces fantasias,
é suster o tempo na sua voracidade."
Perfeitos estes versos, bem enquadrados em todo o poema.
Minha linda, que seja de belos sonhos a tua noite e de alegrias infindas a tua semana.
Um beijo carinhoso da
Helena

Zélia Chamusca disse...

Lindíssima prosa num encanto de poema!
Parabéns!
ZCH

saudade disse...

Servem para lembrar do que o tempo não levou....
Beijinhos de....
Saudade

Helena Medeiros Helena disse...

Sem nova postagem para admirar, fica um beijo no teu coração. Que teu final de semana seja pleno de paz e alegrias.
Meu carinho,
Helena

O Profeta disse...

Na elegante e fina escrita da tua pena

Às vezes é preciso acordar o silêncio da memória
Ou esperar pelo adormecimento inadiável
Com o gesto sereno e demorado da ternura
Com o acordar do amor rompendo o improvável


Uma radiosa semana



Doce beijo