sexta-feira, novembro 27, 2015

VOGO NOS SONS...

Vogo pelos sons do meu mundo de águas infinitas
e de cantos de pássaros irreais. É este o meu mundo!
O meu espaço e o meu corpo, incorpóreo, leve.
Tenho asas de fada dos bosques e nos cabelos as fitas
de tranças que o tempo teceu num sonho profundo
que entretanto se perdeu de tão louco, de tão breve.
Vogo pelos acordes de uma única sinfonia universal,
vogo de nota em nota e deixo em cada acorde
um pedaço de alma despida e sem rumo.
Vogo sem peso, como bola de sabão intemporal
resvalando pela vida sem nada que me prenda ou recorde
um coração despedaçado, desfeito em ténue fumo.
Vogo por cada nota, cada som deste música suave,
que embala a noite escura e prenhe de segredos,
prenhe de sonhos desfeitos, rasgados por amadas mãos.
Vogo, elevo-me, plano, deixo-me levar pelo canto grave
dos caminhos desta vida. E trilhos os meus degredos
com pés de anjo e olhos de menina trago um punhado de grãos
de sonho que ainda lanço no espaço e vejo somente a flutuar.
Porque já não acredito que frutifiquem nem que possam germinar…
Vogo  pelos sons do meu mundo de faz de conta, caixinha de musica intemporal….





2 comentários:

Jaime Portela disse...

Excelente texto.
Repleto de belas imagens poéticas.
Tenha um bom fim de semana.
Abraço.

Jaime Portela disse...

Voltei, mas não há novidades.
Mas eu tenho...
Luar, tenha uma boa semana.
Abraço.