quarta-feira, dezembro 09, 2015

CORDAS DA MINHA VIDA


Dedilho as cordas da minha vida para lhe ouvir os sons
que da distância me lembram que tive uma vida...Um dia.
Olho pelo denso nevoeiro os meus passos marcados pelos tons
de uma melodia estranha, quase profana, que me arrepia
e coloca neve nos cabelos, sulcos no rosto, lágrimas no olhar.
Tudo deveria ser simples. Tudo deveria não custar a passar.

Dedilho as cordas das minhas memórias para me lembrar
que. um dia fui mulher, flori. Sorria como borboleta estonteada,
louca, prenhe de sonhos, de desejos, de vida, de amor para dar.
Olho pelas brumas matinais que me envolvem inebriada
e me vestem de liquida agonia, de calada e profunda dor.
Tudo deveria ser manso e meigo, Tudo deveria ser AMOR.

Dedilho as cordas da minha guitarra quebrada,
da minha alma negra, dolorosamente marcada.
Dedilho as cordas de uma torturante agonia
que me inunda e profana, que me percorre à porfia.


4 comentários:

saudade disse...

Gostei de ler.... Como sempre....
Beijo de...
Saudade

Jaime Portela disse...

A vida nem sempre nos corre bem.
Mas devemos pensar que melhores dias virão. Por isso, há que manter a esperança.
O poema, é triste, sofrido. Mas excelente.
Querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Jaime Portela disse...

Gostei de reler o teu magnífico poema.
Mas fico à espera de mais...
Luar (perdido de perdição...?), minha querida amiga, tem um bom resto de semana.
E um Feliz Natal, extensivo aos que te são mais queridos.
Beijo.

Helena Medeiros Helena disse...

Minha linda, tuas últimas postagens dão conta de uma alma inquieta, de um coração desassossegado, e espero que estes escritos sejam apenas uma produção literária, a criação de uma poetisa de tão rica imaginação que gosta de criar textos de "fingida" tristeza, por saber que tais textos serão altamente apreciados pelos amigos, tal a beleza das imagens e o concatenar das ideias.
Se assim não for, que possas encontrar um caminho que novamente te faça feliz, e eu sei que hás de encontrar, baseada naquilo que tu escreveste em finais do ano passado:
"Vou vestir-me deste ano em 365 sonhos por colher,
por semear, por regar, sachar, adubar e ver crescer.
Vou apenas deixar-me embalar nas ondas de um novo vento."
ou ainda estes versos:
"Tragam nos olhos a esperança, por mais louca que pareça!
E no coração o amor sem deixar que se desvaneça."
Quem faz versos assim, meu anjo, expressando desejos tão bonitos e tão sensíveis, merece ter toda a felicidade do mundo, e é isto que te desejo.
Minha doce amiga, espero que este período que antecede o Natal, esteja sendo vivido por ti com muita paz no coração, e que o ano de 2016 seja um dos melhores na tua vida, com muitos sorrisos e estrelas a iluminar os teus caminhos.
Com carinho,
Helena