domingo, maio 15, 2016

MARCAS DO TEMPO








O tempo marca a sua passagem no rosto deixando o seu traço
indelével e imparável. Com um fino cinzel esculpe linhas, finas,
profundas, imparáveis. O tempo pinta sombras num abraço
apertado e irreparável. Modela a pele, enruga-a em gelhas hialinas.
O tempo inexorável e duro deixa a sua marca sem retorno,
perdeu-se a frescura dos verdes anos que servia de singelo adorno.
Ficam as marcas que a vida escreveu no rosto, no corpo, nas mãos.
Ficam as memórias impressas em cada novo traço vincado.
Olha!  Esta foi uma história escrita entre os sins e os nãos,
entre o talvez e o vazio, o silêncio e a ausência. Tão complicado!
O tempo marca a sua passagem, deixando marcas inapagáveis
num rosto que perdeu o frescor sem regresso. Sinais irreparáveis!
Olhando o espelho que traduz a marca espessa do tempo
na vida que se escoa devagar em cada ruga em cada sombra,
há tanto por trás de cada traço vincado pelo ferrete do tempo!
Há tanto por trás de cada nova ruga e cada sombra!
O tempo marca o seu passo no rosto desenhado no espelho,
nas veias salientes das mãos, nas rugas sob o olhar velho.
Olha! Há uma história por trás de cada linha desse rosto
que o tempo marca com o ferrete do seu vendaval.

1 comentário:

Helena Medeiros Helena disse...

Minha linda, ninguém poderia descrever com tanta poesia, tanta beleza e precisão, esta passagem que engloba uma vida: o envelhecer. Soubeste bem delinear e enriquecer os detalhes que se escondem por trás de cada ruga, cada expressão que se apaga, cada nódoa nas mãos, enfim, um caminho por ti traçado e que nos dá a exatidão de como se processa a velhice. E o fizeste de forma linda, não apenas a cinzelar os "sintomas", mas a dar-lhes um colorido que é aquele que deveras deve permear a passagem do tempo, que é a aceitação.
Não entrando na questão filosófica dos vários "envelhecer", pois não é bem o caso, criaste um texto profundo, sentido, marcado talvez pela convivência com pessoas que estão neste processo e de quem tens conhecimento. Digo isto porque também convivo com pessoas idosas e tenho o maior respeito pelas rugas, sinais e o olhar muitas vezes perdido no tempo e espaço, e por saber de suas vidas, lutas, e todas as coisas boas/ruins que já viveram e que, de certa forma fica marcado nas expressões.
Gostei imensamente deste texto, meu anjo, como aliás todos os textos e poesias que aqui fazes publicar depois de serem delicadamente tecidos por tuas mãos.
Que te venham sorrisos de anjos nesta noite de luar intenso aqui para o meu lado, bem como as estrelas que, por certo, teus olhos também estão a divisar.
Meu carinho,
Helena