segunda-feira, junho 27, 2016

SEM CHAMA



Não alimentes uma fogueira que já não tem lenha por onde arder,
Não alimentes a ave que morreu na manhã gelada da solidão.
Não alimentes. Não alimentes os sonhos que só te fizeram perder
o pé, o rumo, o tempo, a estrada da vida na curva da desilusão.
Não alimentes. Não alimentes a ilusão que tu própria criaste
com a força de um sentimento avassalador e transcendente.
Apaga as pegadas que ficaram na areia que já trilhaste
e segue, segue de “pé como as árvores”, ou como sol incandescente.
Mas não alimentes a fogueira nem a chama, não alimentes a mentira
que pautou o teu caminhar, cuidando que era verdade e que te era destinada.
Não, não alimentes esse sonho, essa miragem que a saudade revestira
de vã esperança, de louca obstinação. Não, não alimentes a chama condenada,

o tempo já esfumou a sua luz, resta deixar que arrefeça e se desfaça em esquecimento.


imagem retirada da net

Sem comentários: