quarta-feira, abril 19, 2017

CHEGADA POR PARTIDA




Chegaste devagar como quem semeia a Primavera,
entornaste as tintas de um arco-íris de recomeço
com sabor a vida passada e cheiro de desconhecido.
Chegaste como quem nem tinha partido, nem se desvanecera
no grito de um silencio rouco, que rasga o peito que ofereço
à dor da mágoa: ao medo da perda e do caminho esquecido.
Chegaste: como se o mundo não houvesse, e a vida se apagasse,
como vela soprada por infantil alegria, ou por senil desapego.

Chegaste: nada mudou, tudo se perpetua como parafuso sem fim.
Mas eu quero-te! Com a alma e com a razão de quem guardasse
o maior tesouro na sombra do olhar, amante, amado. Eterno desassossego.
Chegaste sem chegar, porque não estás. Porque partes e te afastas de mim.
Chegaste devagar como quem semeia o Inverno,
escreveste a letra de um hino fúnebre, nos muros de um coração magoado,
chegaste pintando um prometido inferno.
Parte sem demora: sem olhares para trás, eu vou vestir-me de sonho esfarrapado.



Chegaste - devagar - a semear utopia. Vai - rápido - para esquecer a cobardia.




lágrimas de lua

5 comentários:

LuísM disse...

Um poema de amor/desamor
Belo, mas com dor
Amarras que a vida cria
Ou sentimentos que não se queria.

Dividi o seu poema, Amiga, em três partes.
Penso ter incorporado o seu pensamento nesta pequena quadra.

Um beijo, lágrimasdeluar.

Jaime Portela disse...

Um poema onde o desassossego parece ser a nota dominante, mas onde a inquietação e a contradição do amor assumem um papel relevante na narrativa poética tão bem delineada.
Excelente, querida amiga, gostei imenso.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

luna luna disse...

A vida é cheia de chegadas e partidas, mas existem as partidas mesmo ante de chegar, e o coração que sangra sem sangras
bjs

Jaime Portela disse...

Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

Helena Medeiros Helena disse...

Há quem parte sem se importar se o mundo permaneceu no lugar, se a vida não se apagou, e retorna enfeitado de Primavera, banhado nas cores do arco-íris, e se acomoda no lugar de antes, como se uma partida não tivesse acontecido trazendo o “grito de um silencio rouco” que rasgou o peito na dor profunda de uma mágoa...
Há quem parte assim, desprovido de sensibilidade e volta “devagar como quem semeia o Inverno”, sem ao menos trazer vestes novas para um sonho...
Minha linda amiga Luar, um poema forte, impactante, como são todos aqueles em que o olhar se veste de tristeza e fica a contemplar uma estação onde um comboio aceita levar e trazer quem chega sem bagagem definida... Um poema com a marca da tua sensibilidade!
Meu anjo, estou pensando em encerrar meu espaço, pois o tempo tem sido ingrato em não me permitir visitar com assiduidade os amigos blogueiros. Estou em falta com muitos deles, pois uma nova atribuição veio juntar-se às minhas atividades, uma nova casa de recuperação de jovens dependentes químicos. As casas de assistência das crianças e dos idosos, apesar de serem bem olhadas por funcionários competentes, treinados e dedicados, merecem de mim visitas constantes, não apenas para providencias que só a mim estão afetas, como também por ser um lugar onde me refugio, buscando nas crianças um lenitivo onde a alegria de vida delas contagie a minha criança interior, por vezes tão carente quanto o adulto que em mim habita. Dos meus idosos vem aquele olhar resignado que por vezes tanto preciso para olhar o passado e não me deixar sugar por ele. E dos meus bebês, tu sabes, nascem aqueles momentos transcendentais quando os recebo entre as mãos e os vejo sadios, lindos, no seu primeiro choro a mostrar ao mundo que estão chegando para enfeitá-lo de fraternidade, amor e bondade. E agora, com esta casa de recuperação de jovens, vem a esperança de tentar resgatá-los para uma nova vida.
Enfim, minha amiga, é desta forma que estou superando as perdas, preenchendo o tempo para que os momentos sofridos se afastem aos poucos e deixem o lugar apenas para as lembranças bonitas.
De qualquer forma, ainda estou pensando em como agir, mas procurarei estar sempre por aqui, apreciando as tuas postagens e trazendo meu carinho para ti.
Um beijo aconchegado entre as pétalas de lindas rosas coloridas, enfeitadas de sorrisos e estrelas, em todas as horas e todos os dias da tua vida.
Leninha

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...