quinta-feira, novembro 30, 2017

AO SABOR DE UM VENTO....





E quando todos os muros nada mais forem que chuva,
e todas as notas, melodias de um violino gasto pela vida,
todas as lágrimas forem uma saudade de partida,
então todas as gotas de orvalho serão diamantes,
e todas as pétalas serão promessas de eternidade.
E quando todas as mágoas se diluírem na simplicidade
de um olhar, na magia de uma melodia sem norte,
na graciosidade do voo de uma gaivota sem rumo.
Então os passos serão somente um leve fumo
que se eleva suave na noite que cai devagar.


               .......................


Soltem-se os ventos do oblívio, 
e as chuvas de pacificação e alívio.
Soltem-se todas as lembranças ancoradas
num cais de podres dores amordaçadas.
Soltem-se palavras caladas e olhares perdidos
e voem as vãs esperas e obtusos sentidos.
Soltem-se as amarras de um tempo esfumado
e os odores de um passado perfumado.
Hoje, há um vulcão de pedras brancas em ebulição,
e o voo de uma pomba de paz e sonho, de esperança e perdão.


           ...........................


Letra a letra nascem as sombras escritas
por entre os rochedos de memórias foscas.
E ouvem-se frases, risos, mentiras ditas
como se se  tratassem de verdades toscas.
Letra a letra compõe-se a melodia
de um poema sem tempo nem idade,
pétalas brancas de falsidade luzidia
guardadas num livro de eternidade.

                                                                                                                                                                                                     Lágrimas de lua

3 comentários:

LuísM Castanheira disse...

"...Soltem-se palavras caladas e olhares perdidos..." e elas, as palavras, aí estão, expressas, sentidas e em voos migrantes.

Belo poema, minha Amiga.
Um bj. e um resto de fim-de-semana de harmonia.

Flor de Jasmim disse...

E assim esvoaçam as esperanças e a paz.

Beijinho minha querida.

Jaime Portela disse...

Três poemas que li e reli.
Porque cada um deles é melhor que os outros...
Parabéns pala qualidade literária, que é uma constante nos teus escritos, de resto.
Continuação de boa semana, amiga querida.
Beijo.

USA PALAVRAS... SE FOR PRECISO

" Ama; se preciso for, usa palavras". E ela amou, sem palavras, com todas as letras que inventou, com todas as frases que disse...