sexta-feira, novembro 17, 2017

NOVA NASCENTE

Vim beber a vida aos horizontes da alma,
 olhei o infinito que contém uma esperança,
quebrei amarras, lancei as velas de temperança.
Despi o manto de negro fumo e falsa calma.
Vim ver o outro lado do mundo; que não conheço,
onde tropeço, mas me embrenho e recomeço.

Vim beber a aurora aos horizontes do amor,
ainda que haja noite, penumbra e sombra,
haverá sempre a esperança, remédio que desensombra
as agruras do caminho. Bebo naquele rubro fragor
de quem semeia novas sementes em terras de poesia,
em sonhos de menina, em trajes de fantasia.
Vim beber a vida aos horizontes da alma.


Nasce o dia: um novo dia, esplendor que acalma
                                                                                                                                                                                                Lágrimas de lua

4 comentários:

Jaime Portela disse...

Beber das nascentes assim puras, é mesmo "beber a vida aos horizontes da alma".
Excelente poema, parabéns.
Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

[...]"Bebo naquele rubro fragor
de quem semeia novas sementes em terras de poesia,
em sonhos de menina, em trajes de fantasia."[...]

belo, minha amiga!

e nas nascentes
a pureza
o amor.

ainda o dia vai a meio
e o sonho entranha-se
semente naquilo que leio.

um beijo no Luar.



Flor de Jasmim disse...

Com o novo dia nasce a esperança!

Minha querida tem uma boa semana.


Beijinho com muito carinho.

Jaime Portela disse...

Voltei para ver as novidades.
Mas gostei de reler.
Bom resto de semana, querida amiga.
Beijo.

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...