segunda-feira, fevereiro 19, 2018

MÊS APÓS MÊS - O CÉU

E o tempo passa, escorre e esvai-se 
pelo rasgão que se abre, sem dó, neste mar.
Nesta distância que não se encurta,
nesta ausência que não desiste de gritar,
que não desiste de doer e se furta
ao balsamo do tempo a resvalar.

E as memórias, que vestem a alma,

são frágeis véus de fosca neblina,
são pinceladas de um pintor louco,
são os passos de uma criança franzina.
São olhos quebrando a pouco e pouco
desdobrando a saudade que se amotina.

E as nuvens encobrem as estrelas, lá no alto,
lá em cima, brilhando em harmonia,
faça sol, venha a chuva, sopre o vento,
elas olham, velam, em silenciosa sintonia.
Mas o tempo, passando, continua avarento,
trancando em si a paz, em murmurada litania.

O tempo, passa, escorre e esvai-se, pelo rasgão de uma vida.

(às minhas estrelas)


Lágrimas de lua



Imagem da net



2 comentários:

luna luna disse...

Dizem que o tempo é intemporal, senti mo-lo em 3 dimensões mas apesar de o sentirmos real é ilusório, mas eu gosto de ver o tempo passar as modificações que vão acontecendo, apesar de algumas nos darem cabo da cabeça , como as artrose eheheh ,
bjs

Jaime Portela disse...

O tempo passa e nós também.
Mas o céu vai teimando e ficando há milhões e milhões de anos...
Magnífico poema, parabéns.
Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

UM PIANO

Nas asas da música, numa noite de escuro sereno, as mãos bailam sobre as teclas brancas e negras, os sons desenham momentos sonhados, ...