terça-feira, maio 08, 2007

SOMBRAS


Do passado elevam-se negras as sombras.

Como gigantes de tenebrosas faces

que se arrastam medonhos pelas alfombras

em breves e estreitos enlaces.

Do passado mais profundo, elevam-se em riste

as memórias mais pungentes, mais loucas,

e as promessas mais doces, o amor mais triste.

E nós ficamos, sós, perdidos, unidas as bocas

num beijo eterno sem cor, nem tempo,

perdido na mágoa, na dor do desalento!

Perdido do mundo, afastado de nós,

acrisolado no espaço desta vida desfeita,

deste resto que arrastamos, doendo, a sós.

Pedaço de sonho, quimera imperfeita

que do passado se eleva, qual sombra atróz,

selada num beijo eterno e sem voz.

4 comentários:

Bruxinhachellot disse...

As sombras às vezes nos encobre e sentimos-nos perdidos em trevas, mas o Sol brilhará até o fim e a Lua iluminará o caminho das sombras.

Beijos de água e ar.

o alquimista disse...

A brisa acorda a água adormecida, brinca e dança em rodopio, com uma perdida e verde folha, solta de um ramo em desvario, cavalga ao doce acaso, cavada e mansa ondulação, qual veleiro sem vela, ao sabor de invisível mão


Boa semana


Doce beijo

o alquimista disse...

Tal como um ribeiro manso, que corre pachorrento para sul, assim viaja o teu profundo sentir, aprisionado em…pranto azul…


Bom fim de semana


Mágico beijo

Juℓi Ribeiro disse...

Luar:

Obrigada pela distrinção
do Thinking award.
Quero que saiba
que recebi
com enorme carinho.

Lindíssimo versejar!
Palavras fortes,
enlaçadas com doçura...
Repassam tristeza
mas também um grande amor.

Que as sombras do passado
não ocultem
a primavera colorida
e radiante, que se encontra
guardada no coração
de pessoas generosas,
sensíveis e talentosas
como você.
Todos podemos escrever
mas colocar o sentimento
em palavras é um dom
e este dom,
minha querida amiga
você possui.
Um abraço carinhoso
de sua amiga de além-mar.
*Juli*