terça-feira, setembro 27, 2011

MENINA-MULHER



De peito erguido e nu, de mãos abertas e sedentas a luta torna-se feroz.

De alma forte, olhos em fogo, e coragem infinita, a luta é renhida e atroz.




Menina-mulher, rosa por desabrochar que a vida obrigou a definhar,

exemplo de animo, de força desconhecida e imensa que tiveste que conquistar.




Entre o sorriso e a lágrima, a coragem e a desilusão, a força e a solidão

de uma luta sem tréguas, onde as armas são tão desiguais. Há sempre uma razão

para não virar costas, para erguer o peito nu e abrir as mãos sedentas de vida.




Há sempre um novo amanhecer, uma noite de lua cheia e de luar prateado,

de calor de um verão imortal, de flores a perfumar o ar quente e ensolarado,

há sempre mais uma restea de força, de esperança que jamais será perdida.




Num circulo de luz, onde as mãos se dão com força, as preces se elevam,

os olhos se embaciam e os corações em compassada harmonia se sublimam.




Neste circulo estás tu - Lutadora, menina-mulher.

4 comentários:

Flor de Jasmim disse...

A esperânça será sempre a última a morrer. Enquanto houver uma restea de força haverá essa esperãnça.
Beijinho

rita disse...

Somos tds meninas mulheres :)

A.S. disse...

Menina-Mulher,
em ti já não existe um falso medo.
Existe em ti a vontade de vencer,
amanheces em ti desde muito cedo!...


Beijos,
AL

BlueShell disse...

è como eu digo: há sempre um novo amanhecer...e nunca, mas nunca devemos "baixar os braços"
Bj