sexta-feira, abril 13, 2012

ABANDONO

Na tempestade abandono o corpo e a alma,
deixo que me sufoque

que simplesmente me afogue,

e que tudo em mim soçobre com calma.


Na distancia abandono os meus sonhos,

as lutas sem sentido e os desejos sem cor.

Abandono os laivos de um efémero amor,

navio fantasma entre nevoeiros medonhos.


No silencio abandono o coração cansado,

as mãos desgastadas, a alma desbotada,

o riso esquecido e a lágrima disfarçada.



No rio da vida abandono o meu ser desencantado





2 comentários:

A.S. disse...

Hão-de vir amorosas mãos arrebatar-te, devolver-te os sonhos, fazer pulsar o coração, devolver-te o sorriso, colorir teus desejos!...


Beijos,
AL

Flor de Jasmim disse...

Querida
Não! Não deixes que que silêncio vença, não abandones esse teu coração mesmo cansado.
as arvores estão a florir e as flores te devolverão os teus desejos.

Beijinho e uma flor