quinta-feira, agosto 07, 2014

ENTRE ÁGUAS






Escrevo à rédea solta, à desfilada, 
escrevo como cavalo louco em corrida desvairada.

Hoje eu sou a tempestade e a calmia,
assolam-me os trovões raivosos, as bátegas grossas
as lamas arrastadas pelo chão.
Hoje sou a chuva trespassante e fria,
sou o rio duro de memórias vossas.
Sou apenas mais uma folha, um grão.

Escrevo sem rumo, destino,
apenas deixo as palavras sem tino.

Hoje sou também a mansidão, a doçura,
sou o amor e a alma aberta,
o coração que transborda.
Hoje tudo faz sentido, tudo é candura,
como floresta misteriosa e deserta.
Hoje sou uma tensa corda,
que nenhuma mão dedilha.
Que nenhuma alma perfilha.

Escrevo entre o rugido e o sorriso,
entre a dor e a aceitação.
Escrevo entre a loucura e o juízo,
entre a mágoa e a rejeição.

3 comentários:

Flor de Jasmim disse...

Escreves simplesmente o que te vai no coração!
Amei ler-te minha querida Lua.

Beijinho e uma flor

A.S. disse...

As palavras que escrevemos
vão ocultando a sua luz,
não nos iluminam os caminhos do amor...
Por isso o desejo cresce em nós,
rubro... incandescente,
porque sabe que as palavras
voltarão a arder!...

Beijos!

Zélia Chamusca disse...

Luar Perdido,
Tu perdes-te no encontro da tão apurada sensibilidade que possuis, ao explanares minuciosamente, com o cinzel de prata que ilumina e dá luz a tão maravilhosa obra literária, que me sufoca,fazendo-me sentir sem palavras que possam exprimir minha admiração.
Aplausos!
ZCH

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...