segunda-feira, dezembro 12, 2016

CICATRIZES DE VIDA

O meu corpo é um mapa onde se lê a vida,
onde se lê cada caminho percorrido, vivido.
O meu corpo tem cicatrizes de pomba sofrida
e de anjo tombado: de um céu passado, perdido.
O meu corpo tem os rasgões de farrapo gasto
e as lantejoulas de alegrias de sabor casto.
O meu corpo é um mapa onde a alma se encontra
e o coração se esconde, e os anos se aninham sem fim.
O meu corpo tem as marcas que os gumes, sem conta,
lhe deixaram escritos - como poemas de marfim.
O meu corpo guarda as feridas sem penso nem balsamo,
sem unguento nem sutura; apenas abertas, sem cálamo.
O meu corpo tem cicatrizes de um percurso que a via abriu,
tem trilhos de história que fazem de mim - eu.
O meu corpo tem punhais cravados e estrelas que ninguém viu.
Tem cores de arco-íris e jasmins, rosas, violetas de um jardim meu.
O meu corpo tem as estradas que a vida lhe escreveu,
as memórias, os sonhos, as páginas recônditas que ninguém percorreu.
O meu corpo é um mapa de caminhos entrecortados
de esperanças truncadas, de soluços calados e alegrias passadas.
O meu corpo é um livro de capítulos enevoados
e de marcas de melodias estranhas, tortas e enviesadas.
O meu corpo é a cicatriz do tempo, das mil histórias retalhadas
que a vida lhe escreveu. O meu corpo é tabernáculo de orações soluçadas.
O meu corpo tem escrito um amor feito punhal
num sonho que soçobrou, e uma lágrima que se perdeu na eternidade,
tem um lenho que o travessa e um rio de manso caudal,
tem uma estrela que se cala no frio da crueldade.
Mas o meu corpo encerra a força de cada cicatriz magoada,
a luz de cada lua esforçada: de cada nova madrugada.
E tem páginas por escrever e sóis por amanhecer,
embora marcado - cicatrizado -, o meu corpo ainda luta,
ainda sabe caminhar e querer, ainda esgrima por sobreviver,
espera, calado, no silencio: espera em serena e leve escuta.

O meu corpo tem cicatrizes que a vida lhe traçou,
um vestido duro e belo de um percurso que passou…






4 comentários:

LuísM Castanheira disse...

cicatrizes do corpo são mais fáceis de vêr do que as da alma...
e a estas, a poeta deixa-nos um retrato, nas marcas do poema/corpo enunciadas.
apesar de tudo, deixa também uma esperança, na força dum amanhã.
da mente parte a vontade de ser e o corpo é um parceiro que temos de acolher.
gostei muito, Amiga.
Um beijo.

Jaime Portela disse...

Tudo o que nos acontece na vida, bom ou mau, fica impresso no corpo, na pele, na alma...
Impressionante poema, gostei imenso. Parabéns pelo teu talento poético.
Bom resto de semana e um FELIZ NATAL, querida amiga.
Beijo.

Flor de Jasmim disse...

Sofrimento e algumas alegrias, é e será sempre um corpo tatuado por cada momento vivido! Não sei o que dizer, estou muito emocionada, as lágrimas caem.
Sei o que é sofrer, e sinto falta de vontade para viver.

Um beijinho muito grande do fundo do meu coração.

rosa-branca disse...

Um poema sofrido q me emocionou. Feliz Natal e um abraço com carinho