sexta-feira, agosto 04, 2017

TATUAGEM




Trago tatuado no corpo,
o mapa do nosso passado.
São um sulco esvaziado
todos os rios, agora secos,
de uma vida na penumbra.
As montanhas que subimos
e cada vale que descobrimos,
cada meandro, cada sombra,
cada prado, cada planície,
que afloravas á superfície
de uma pele que te recebia.
O mapa, qual cicatriz do tempo,
cobre-me o corpo a contratempo.
Os rios que navegavas
já perderam o azul das águas,
e nas margens só as mágoas
se espalham na memória.
Olho hoje as íngremes montanhas,
(como me parecem estranhas!)
já não vejo os alegres cumes,
apenas escarpas agrestes,
rasgadas de todas as vestes.
O mapa, desvanecido de esperas,
perde as cores, perde a harmonia,
tatuagem negra,tatuagem de nostalgia.
São apenas linhas vãs,
que um dia foram caminho,
foram vida e valioso pergaminho.
Hoje é mapa a carvão traçado,
apenas uma tatuagem a lembrar

que um sonho pode acabar.



imagem retirada da net







3 comentários:

luna luna disse...

tatuagens as há que a tinta se esvai e se apaga nos dias do esquecimento, outras ficam gravadas a ouro no pensamento e coração,
bjs

Jaime Portela disse...

Um poema nostálgico, mas que resume a vida da maioria das pessoas, já que todos os sonhos, se se concretizam, também acabam...
Gostei muito, o teu poema é excelente.
Bom fim de semana, querida amiga.
E boas férias, se for o caso.
Beijo.

luna luna disse...

Querida obrigada pelo teu belo comentário no meu humilde cantinho, mais do que um comentário um momento de palavras poéticas, beijinhos