sábado, janeiro 27, 2007

CAMA FRIA


Na fria noite da tua ausencia,
no gélido beijo do teu lugar vazio,
na minha louca persistencia
em procurar-te em desvarío.
Na escura noite de solidão,
em que mordo, sedenda, o lençol frio
e calo o desejo, em turbilhão,
do teu corpo correndo como um rio
de dádiva e seiva viva.
Esta dor que me criva
de lembranças sem fim!
Ah noite gélida de incontido desejo,
das noites em que te fundes em mim!
E dos teus olhos que são um lampejo,
deste amor intemporal e imenso.

5 comentários:

CIsne NegroI disse...

Uma cama fria numa noite gelada é pior que dormir no Polo Norte. Apenas um amor imenso e intemporal resiste a tanta frieza, um amor como aquele que tu cantas neste bonito poema. Obrigado amiga pelo teu comentário e pela tua compreensão. A vida é feita também de rendições como aquela que contei.
Um beijo amigo, e que a luz mansa do teu luar continue a iluminar este universo bloguista.

Bruxinhachellot disse...

A ausência desembrulha reações incômodas em nossa alma como o sentido de vazio e de dor.

Palvras que refletem a emoção de quem talha a arte.

Beijos de manhã de Sol.

Vlad disse...

E do teu cheiro que me purifica como incenso.
No teu lugar vazio, frio, eu ainda te vejo.

Desculpa, não resisti ;)

Mais um belo poema de amor e saudade.
È sempre um prazer ler-te.

Bjnhs

Vlad disse...

Voltei só para dizer que foi mesmo a pensar no Cat People que escolhi a música ;)
Bjnhs

Juℓi Ribeiro disse...

Lindo texto!

Pleno de sensações
rico de sentimentos!

O desejo
é uma fogueira ardente
e quando amamos
é um vulcão em chamas!
Mas a brasa longe
do fogo esfria
e só mesmo um "amor
intemporal e imenso"
resiste aos furacões
da solidão...

Beijo.*Juli*